Café com Chai

Observações de uma brasileira sobre a cultura indiana.

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Templo Dourado na India - O Sikhismo e a Caridade



Golden Temple como é mais conhecido, Harmandir Sahib ou Darbar Sahib em punjabi  é o mais importante templo para os sikhs. O templo é todo revestido de ouro. Fica na cidade de Amristar no Estado do Punjab e é uma das mais antigas gurdwaras sikhs. Gurdwara é como são chamados os templos sikhs.


Foi criado pelo quarto guru sikh, o Guru Ram Das Ji. O Golden Temple é um lugar sagrado e podem frequentar homens e mulheres igualmente sem nenhuma distinção de cor, casta, condições sociais e religião. Todos podem de maneira igual adorar a Deus.





Dentro do Golden Temple está o Sri Guru Granth Sahib que é a mais sagrada literatura sikh.Toda gurdwara, ou seja, todo templo sikh tem um Guru Granth Sahib e é igualmente sagrada em qualquer lugar do mundo.






Local onde fica o livro sagrado Guru Granth Sahib Ji



O Golden temple tem quatro entradas. Isso tem um importantíssimo motivo. Quer dizer que o templo autoriza cada religião ou fé entrar nele para rezar e meditar. Uma porta para o cristão, outra porta para o hindu, outra para o muçulmano e outra porta para os sikhs. Não que necessariamente cada pessoa de determinada religião tenha que entrar por uma respectiva porta, mas é um ato simbólico de mostrar que todas as religiões são bem vindas 24 horas por dia.





A única restrição é de que a pessoa não deve beber bebida alcoólica, comer carne ou fumar enquanto estiver no santuário. Espera-se também, que os visitantes estejam adequadamente vestidos e todos devem cobrir a cabeça em sinal de respeito, de retirar os sapatos e meias e entrar no templo descalços. As mulheres devem cobrir a cabeça com suas dupattas. Os visitantes devem lavar os pés na pequena piscina de água, caso queiram entrar nas instalações do Harmandir Sahib. Lenços para cobrir a de cabeça são fornecidos também.



Mulheres devem cobrir a cabeça com dupatta



Em frente ao templo existe um lago, mas nunca chame de lago propriamente quando estiver conversando com um indiano. A palavra correta é sarowar. Todo "lago" em frente qualquer gurdwara chama-se sarowar. É considerada uma água santa, purificada. 


Sarowar

Linda visão noturna do templo iluminado no Diwali (festival das luzes)
No templo existe uma cozinha enorme e a refeição é servida gratuitamente. O local onde servem as refeições é denominado langar. As pessoas sentam-se no chão e comem quantas vezes quiserem. Todos tem direito de se alimentar, homens, mulheres e crianças, independente de casta e religião, pobres, ricos, comem no mesmo lugar, o mesmo tipo de comida. Não existe rei ou servente, todos são iguais perante Deus.  Não só no golden temple, como em todas as gurdwaras são servidas refeições gratuitas. Todos aqueles que preparam, servem os alimentos (lentilhas, arroz, vegetais e roti_típico pão indiano e um copo de água ou chai) e ajudam na limpeza são voluntários. Na filosofia indiana, alivia-se o karma fazendo caridade.

Voluntários fazendo a limpeza no Templo




Veja como é servido o langar nos vídeos abaixo: 










Minha observação: Particularmente, me emocionei ao assistir o vídeo, pois vi que cada um faz a sua parte. Uns se encarregam da limpeza, outros se encarregam de preparar os alimentos..e por aí vai. Um país com tantas dificuldades e as gurdwaras ainda conseguem distribuir comida gratuita e voluntários é o que não faltam. ....


E aqui no Brasil quando vou assistir missa nem matar a sede eu consigo. Não tem um bebedouro disponível, ou seja, nem um copo d'água é servido...hahahah
 Claro que existem lugares maravilhosos e pessoas maravilhosas que tem um lugar garantido no céu.  Mas falando sobre a maioria... to pensando com meus botões...onde que ensinam a caridade por aqui??!! São poucos os lugares que vi fazerem o mesmo...  Falar é fácil..pregam sermões de que o homem deve ajudar o próximo mas quero ver quem é que coloca a mão na massa!


segunda-feira, 23 de julho de 2012

Uma descoberta

Não. Não é nada extraordinário o que eu quero contar. Mas fiquei surpresa! Sabe a sensação de que o Bozo não era um único palhaço mas sim um personagem interpretado por 3 pessoas diferentes? Sabe a sensação que provavelmente você também teve ao descobrir que Vovó Mafalda (essa só pra quem é dos anos 80 vai lembrar hehe) era homem?? Sabe a sensação de que a nave espacial da Xuxa não tinha nada dentro e nunca saiu do estúdio??

Pois é..sobre os filmes indianos eu tive a mesma sensação........tá eu sei que não sou mais criança, mas eu achava que os atores dos filmes realmente cantavam.... mas não!!...todas as canções são por um intérprete!!! Talvez muita gente já soubesse mas pra mim foi novidade. As vozes mais famosas são de Alka Yagnik, Sonu Nigam e Lata Mangeshkar a cantora playback mais respeitada na India, hoje uma senhora por volta dos 82 anos de idade mas que conserva a mesma voz fininha como a de uma adolescente. Inclusive muitos estudiosos estão ficando careca pra tentar descobrir o que mantém a voz dela intacta. 

Essas cantoras fazem playback de Katrina Kaif, Kareena Kapoor e muitas outras atrizes. Depois vamos falar das vozes masculinas. 

Confira agora algumas vozes femininas:

Lata Mangeshkar

Voz de Lata  Mangeshkar. Filme Hum Aapke Hain Kaun (1994)




Conheça Alka Yagnik

Vídeo da voz de Alka Yagnik no playback:

Músicas e nome dos filmes no vídeo de Alka Yagnik:

1. "Ek Do Teen" - Tezaab
2. "Ghoongat Ki Aad Se" - Hum Hain Rahe Pyar Ke
3. "Choli Ke Peeche" - Khalnayak
4. "Meri Mehbooba" - Pardes
5. "Kuch Kuch Hota Hai" - Kuch Kuch Hota Hai
6. "Taal Se Taal" - Taal
7. "Dil Ne Yeh Kaha Hai Dil Se" - Dhadkan
8. "Kaho Naa... Pyaar Hai" - "Kaho Naa Pyaar Hai"
9. "San San Sana" - Asoka
10. "O Re Chhori" - Lagaan
11. "Kitni Bechain Hoke" - Kasoor
12. "Panchi Nadiyan" - Refugee
13. "Hum Tum" - Hum Tum
14. "Kabhi Alvida Naa Kehna" - Kabhi Alvida Naa Kehna
15. "Tumhi Dekho Naa" - Kabhi Alvida Naa Kehna

Músicas e nome dos filmes com a interpretação de Lata Mangeshkar:

1. Haan Jab Tak Hai Jahan -- Sholay
2. Pyar Kar -- Dil To Pagal Hai
3. Pyar Ko Ho Jane Do -- Dushman
4. Wada Karo -- Aa Gale Lag Jaa
5. Piya Bina Piya Bina -- Abhimaan
6. Tere Chehra Se Nazar -- Kabhi Kabhie
7. Hum Bane Tum Bane -- Ek Duje Ke Liye
8. Solah Baras Ki Bali Umar -- Ek Duje Ke Liye
9. Jaane Dil Mein -- Mujhse Dosti Karoge
10. Likha Hai Yeh -- Darr
11. Jaane Dil Mein (Sad) -- Mujhse Dosti Karoge
12. Mehndi Laga Ke Rakhna -- Dilwale Dulhania Le Jayenge (DDLJ)
13. Chithi Na Koi Sandesh -- Dushman
14. Dholna -- Dil To Pagal Hai
15. Hum Bane Tum Bane -- Ek Duje Ke Liye
16. Ho Gaya Hai Tujhko To Pyar Sajna -- Dilwale Dulhania Le Jayenge (DDLJ)
17. Tere Liye -- Veer Zaara
18. Madhosh Dil Ki Dhadkan -- Jab Pyaar Kisise Hota Hai
19. Are Re Are -- Dil To Pagal Hai
20. Yeh Hum Aa Gaye Hai Kahaan -- Veer Zaara
21. Koi Ladki Hai -- Dil To Pagal Hai
22. Holi Ke Din -- Sholay
23. Didi Tera Devar Deewana -- Hum Aapke Hain Koun
24. Kabhi Khushi Kabhi Gham -- Kabhi Khushi Kabhi Gham (K3G)
25. Tere Mere Milan Ki Yeh Raina -- Abhimaan
26. Tu Mere Samne -- Darr
27. Dil To Pagal Hai -- Dil To Pagal Hai
28. Chocolate Lime Juice -- Hum Aapke Hain Koun
29. Darwaza Band Kar Lo -- Darr
30. Andekhi Anjaani Se -- Mujhse Dosti Karoge
31. Ishq Da Bura Rog -- Darr
32. Humko Humise Chura Lo -- Mohabbatein
33. O Jaana Yeh Maana -- Jab Pyaar Kisise Hota Hai
34. Solah Chola Meri Button Mein -- Darr
35. Is Dil Mein Kya Hai -- Jab Pyaar Kisise Hota Hai
36. Do Pal -- Veer Zaara
37. Tujhe Dekha To Ye Jaana Sanam -- Dilwale Dulhania Le Jayenge (DDLJ)
38. Pehla Pehla Pyar -- Hum Aapke Hain Koun
39. Hum To Bhai Jaise Hain -- Veer Zaara
40. Zinda Rehti Hain Mohabbatein -- Mohabbatein


domingo, 22 de julho de 2012

Não é fácil..

Morar no Brasil não é mole não. Hoje o número de casamentos com rapazes do oriente cresceu muito, e com isso muita discussão a respeito do que é melhor: largar tudo, deixar pra trás nossas raízes, nossa cultura, família e viver na terra do marido, ou ele largar tudo, cultura, pai, mãe, casa e emprego para viver no Brasil??

Quando estamos apaixonados sabemos que as coisas não são fáceis, principalmente quando se fala na vida de duas pessoas. Mas tudo parece ser mais brando, as dificuldades não são um fardo, pois a esperança move tudo à nossa volta. Ela é a gasolina da nossa vida, pois enquanto temos ela, temos tudo. Isso acontece pois os nossos pensamentos estão focados em uma única coisa: vencer a distância e realizar o sonho de estar com quem ama.

Mas e depois que a distância é quebrada e atingimos nosso principal objetivo com a sensação de que vencemos uma guerra? Vem a chuva de pensamentos: "como vamos fazer agora?". O Brasil tem um sério problema. Pouca gente (quase ninguém)  fala inglês. Quem vem de fora não tem oportunidade de arrumar emprego. Tem que fazer mímica pra comprar um pão, e se tiver uma dor de barriga não consegue nem comprar um remedinho na farmácia. É vergonhoso. E ainda tem gente que fala que não é obrigado a saber inglês! Santa ignorância! O governo proíbe anúncios em inglês para evitar "confusão". Então por que é grade curricular nas escolas? Não dá pra negar, o inglês é necessário no mundo dos negócios.

Aprender português não é tão fácil. Leva tempo. Enquanto isso o estresse vai aumentando, as cobranças vão aumentando, a frustração vai aumentando, pois não é nada fácil para um homem ter que depender dos outros. Se nós somos independentes, o que dirá de um homem o qual a cultura prevalece que ele é e sempre será o chefe da casa? Que ele é o mantenedor da esposa e filhos?  As pessoas vão perguntar sorridente de onde é  e tal..aí vem a hora da última lança: "o que você faz aqui? no que trabalha?".

Mas dar emprego ninguém quer. Imagine essa situação por meses e se depender, até por anos. Se para nós brasileiros o emprego é difícil imagine para uma pessoa que vem de fora e "sem estudo", pois na maioria das vezes os diplomas não são reconhecidos  aqui. É mais uma dificuldade para provar escolaridade. Aqui no Brasil, se não tiver "contatos" voce não consegue nada. É  a realidade. É muito difícil crescer numa empresa. Voce ganha hoje para pagar as contas amanhã e não sobra nada para o lazer, uma viagem...aí  voce começa a pensar no futuro dos seus filhos e vê que o buraco é mais embaixo.

Não vou nem falar da violência do país....

Não tenho a intenção de ser pessimista mas apenas desabafo a realidade. É claro que oportunidades aparecem e são para todos, mas para a maioria o caminho é longo e tem que ralar muito pra conseguir se estabilizar aqui.

Vejo indianos que foram para a América do Norte e Europa tiveram oportunidades, trabalharam muito, fizeram bicos e cresceram rápido, compraram casa, carro, voltaram pra India casaram-se lá e trouxeram a esposa depois. Já aqui, além de ter que aprender a caçarola do português, se conseguir alguma coisa é  pra fazer "bico" e se não tiver uma sorte grande ou algum contato vai fazer bico a vida inteira ganhando menos que um salário mínimo.

Aqui tivemos que correr atrás de tudo  pra fazer contatos. Muita gente parece viver bem, com um super emprego ou negócio, mas pergunte se no começo foi fácil. A parte da ralação, de trabalhar igual peão ninguém fala. Temos o impulso de mostrar na internet o que é bom, o que é legal, principalmente quando falamos de nós mesmos. Isso dá status. Mas não tenho vergonha de dizer que foi dificultoso. Não foi um conto de fadas na hora de arrumar emprego. Casamento é isso. É  lutar juntos. E não só dizer amor pra cá e amor pra lá.

Imagino como deve ser difícil deixar a família pra viver fora.  Mas não tem felicidade maior pra uma família saber que a filha está bem e feliz do que vê-la no Brasil passando dificuldades.

Então pensem muito bem antes de trazer o marido com mala e cuia pra cá pois não é samba e futebol que os esperam aqui e sim muitas responsabilidades e paciência de se começar tudo do ZERO.


Acima de tudo Deus está no comando. E que o amor seja sempre a maior virtude.







 






terça-feira, 17 de julho de 2012

Escolhas...


A certa altura do filme Crimes e Pecados, o personagem interpretado por Woody Allen diz: "Nós somos a soma das nossas decisões".

Essa frase acomodou-se na minha massa cinzenta e de lá nunca mais saiu. Compartilho do ceticismo de Allen: a gente é o que a gente escolhe ser, o destino pouco tem a ver com isso.

Desde pequenos aprendemos que, ao fazer uma opção,estamos descartando outra, e de opção em opção vamos tecendo essa teia que se convencionou chamar "minha vida".

Não é tarefa fácil. No momento em que se escolhe ser médico, se está abrindo mão de ser piloto de avião. Ao optar pela vida de atriz, será quase impossível conciliar com a arquitetura. No amor, a mesma coisa: namora-se um, outro, e mais outro, num excitante vaivém de romances.

 Até que chega um momento em que é preciso decidir entre passar o resto da vida sem compromisso formal com alguém, apenas vivenciando amores e deixando-os ir embora quando se findam, ou casar, e através do casamento fundar uma microempresa, com direito a casa própria, orçamento doméstico e responsabilidades.



As duas opções têm seus prós e contras: viver sem laços e viver com laços...

Escolha: beber até cair ou virar vegetariano e budista? Todas as alternativas são válidas, mas há um preço a pagar por elas.


Quem dera pudéssemos ser uma pessoa diferente a cada 6 meses, ser casados de segunda a sexta e solteiros nos finais de semana, ter filhos quando se está bem-disposto e não tê-los quando se está cansado. Por isso é tão importante o auto conhecimento.



 Por isso é necessário ler muito, ouvir os outros, estagiar em várias tribos, prestar atenção ao que acontece em volta e não cultivar preconceitos.

Nossas escolhas não podem ser apenas intuitivas, elas têm que refletir o que a gente é. Lógico que se deve reavaliar decisões e trocar de caminho: Ninguém é o mesmo para sempre.

Mas que essas mudanças de rota venham para acrescentar, e não para anular a vivência do caminho anteriormente percorrido.


A estrada é longa e o tempo é curto.Não deixe de fazer nada que queira, mas tenha responsabilidade e maturidade para arcar com as conseqüências destas ações.

Lembrem-se: suas escolhas têm 50% de chance de darem certo, mas também 50% de chance de darem errado. A escolha é sua...!

..arrisque!

Pedro Bial

sábado, 14 de julho de 2012

Caminho das Indias - Castas

Uma breve explicação sobre a origem das castas. Os pseudo intelectuais costumam criticar essa novela dizendo que não é isso, que não é aquilo.. mas só quem conhece a India de perto ou convive com indianos pode afirmar que é realmente assim que acontece. Explicaram de forma direta e simples.

domingo, 8 de julho de 2012

Pra que usar dupatta?

Chuni ou Dupatta é um véu que faz parte do vestuário das mulheres da India e do Paquistão. Não são usadas com o intuito de deixar a roupa mais bonita ou mostrar um novo estilo como muitas garotas fazem hoje em dia. Tem um porquê por trás disso.  O objetivo é proteger o pudor de uma mulher. Para entender corretamente nós temos que entender o porquê, como e quando as mulheres devem usá-la.

A dupatta é tradicionalmente usada como um véu para cobrir a cabeça. Muitas mulheres cobrem a cabeça na presença de mais velhos, na presença dos sogros e em alguns vilarejos até na presença do marido em sinal de respeito. Antigamente, ou ainda em algumas aldeias, as mulheres cobrem também o rosto ao sair nas ruas ou na presença do sogro e não tiram o véu do rosto nem pra conversar com ele. Elas conversam através da dupatta. No entanto, também pode ser usada em torno de todo o colo ou nos ombros. O material varia: Algodão, Georgette, seda, chiffon, etc dependendo do tecido da roupa, ocasião e status.




Em muitas cidades da India, o principal uso da dupatta é dentro dos templos. Nas gurdwaras as mulheres devem cobrir os cabelos com a dupatta:







O uso primário de uma dupatta é para cobrir a cabeça e o colo. Porém a utilização do dupatta foi submetida a uma metamorfose ao longo do tempo. Na moda atual, a dupatta é freqüentemente estendida sobre os ombros. Outra tendência recente é a dupatta curta, o que é mais um cachecol ou uma estola, muitas vezes usada com kurtas e roupas ocidentais. Essencialmente, a dupatta é muitas vezes tratada como um acessório de moda urbana atual.




Mas a dupata nos cobre de uma forma que nenhuma outra peça de roupa pode cobrir e temos que respeitar isso. As vezes usamos roupas justa que realçam as formas do nosso corpo, o que pode ser desconfortável. 

Nos dias de hoje não é preciso muito para a mente de alguém ficar a deriva de pensamentos maliciosos. Geralmente as roupas indianas são confortáveis mas se a mulher precisa se abaixar pra pegar alguma coisa, para rezar, ou até mesmo varrer uma casa, o colo e os seios podem ficar mais expostos e já é motivo de muitos homens se distraírem e começarem a importunar. Para as indianas, a dupatta é também uma proteção contra olhares maliciosos.
Daupatta de uma noiva paquistanesa






 Assim, mesmo que sentimos que nossas roupas são boas e modestas, não significa que todos nos vejam da mesma forma. É importante ter certeza de que nunca trarão maus pensamentos e nem nós temos a intenção de provocar. Para isso é importante usar a dupatta (Chuni) adequadamente.







 A dupatta devidamente vestida serve para cobrir qualquer parte que possa ser considerada provocante principalmente o seu colo. Ela cobre as curvas do corpo e traz o foco de volta sobre o rosto. Tradicionalmente, ela é usada de modo que ao cobrir a cabeça e os seios, o rosto fica de fora. É realmente muito bonita a maneira eficaz de usar a dupata pois faz com que as pessoas concentrem o foco no rosto, e não no seu corpo. 


Garota do Rajastão





Noiva usando dupatta


É recomendado desde criança a mulher nunca sair sem a dupatta. 

Você pode usar dupata em todos os momentos e se você achar que é complicado, basta fixá-la em sua camisa com um alfinete, para que ela não escorregue para baixo e você não tenha que mexer constantemente para corrigi-la, colocando de volta no lugar. Com o tempo se tornará um hábito de usar dupatta e você não precisará sequer fixá-la de volta. Ela pode ser usada durante todo o dia em casa e no trabalho.

Pode ser usada com praticamente qualquer tipo de roupa. Ela não só dá a mulher uma imagem de ser graciosa, mas também pode ser questão de moda, se você souber combinar. Não há nada que realmente nos impeça de usar a dupata em todos os momentos, com o tempo, será difícil sair sem.


 As indianas dizem que a  dupatta é o respeito de uma mulher, pois não permite que virem o olhar para baixo, mas sempre acima dela.









Beijosss!!



quinta-feira, 5 de julho de 2012

Por que a maioria dos indianos não ficam contra a família por um amor?

Quantas vezes seu amor indiano disse que te ama? Acho que muitas vezes né. O que ele faz por você para estarem juntos? Como ele demonstra esse amor? São perguntas que devemos nos fazer sempre. Não precisa ficar paranóica e começar a exigir todas as demonstrações de amor possíveis, mas coisas simples que nos passam segurança é fundamental.

O homem de cultura oriental como muitas já sabem, são doces, dizem palavras românticas a toda hora, parecem ter vindo de um mundo diferente onde os homens compreendem o sentimento das mulheres e sabem tudo o que nós queremos ouvir.

Isso leva a uma paixão arrebatadora. Mas da mesma forma que eles tem esse lado romântico, isso não é garantia de que ele fará tudo por esse amor. Sim, eles se apaixonam de verdade, mas no fundo sabem que será muito difícil ficar com esse amor. Eles sabem que terão que enfrentar a família e a sociedade. Comece assistindo alguns filmes indianos. Eles sempre tem um amor de infância, ou se conhecem na faculdade, se apaixonam mas de repente algo terrível acontece: a família da moça escolhe um noivo pra ela ou a família do noivo o casa com outra garota. Sempre mostram o sofrimento de não se casar com a grande paixão de suas  vidas, acabam aceitando a vontade dos pais e se casam com a outra pessoa escolhida por eles. Mesmo nos filmes, sempre mostram que amor e casamento são fórmulas diferentes. Sempre acontece alguma coisa e acabam se casando com aquele(a) que a família escolheu. Difíceis são os casos que eles mostram sucesso no amor.

No caso de filha, a responsabilidade é dos pais para escolherem um noivo. E na falta do pai, a responsabilidade é do irmão em procurar um marido para ela. Muitas vezes eles tem um amor escondido mesmo que não seja retribuído. . É muito comum o rapaz dizer que tinha uma namorada mas ela se casou com outro, pois os namoros não são como aqui. Os namoros se reduzem a trocas de olhares ou tomar um café na lanchonete da faculdade, mas nunca se tocam e muitas vezes nunca se entregam dizendo que amam e estão apaixonados. Eles amam em segredo. E sabem que dificilmente ficarão juntos por nível social, casta, etc.



Por que eles não conseguem dizer não para os pais? Porque a chantagem emocional corre solta. Se o rapaz diz para os pais que já tem uma paixão e eles não aprovam, aí o bicho pega em casa...imagina ouvir sua mãe dizer que vai se matar porque não vai aguentar tal situação, imagina os parentes jurarem se vingar da família da moça, e ainda mandam o rapaz pra fora de casa dizendo "esqueça que é meu filho"... gente a coisa é bem assim. E eles sabem que se o povo fala que vai se matar, se mata mesmo, tudo por questão de honra. Ás vezes até uma família inteira paga com uma tragédia. É muito difícil uma pessoa não se render a essa chantagem toda. E outra coisa, sempre o que os pais decidirem está decidido. Não há escolha. Eles não querem ver a família destruída. Por amor aos pais eles renunciam a felicidade deles.

Imagine-se no lugar, como seria difícil. Imagine há muitos anos atrás aqui no Brasil quando os casamentos eram arranjados, era praticamente impossível ficar contra os pais. Para os indianos ainda é assim pois o respeito aos mais velhos é fundamental. Existe um hierarquia entre eles. Inclusive entre amigos, sempre o amigo mais velho tem respeito dos amigos mais novos. O amigo mais velho tem direito de repreender se achar necessário, e é incrível como eles dão importância e não discutem. Eles dizem "ele é mais velho do que eu, ele sabe o que está fazendo".

Tem hierarquia entre as esposas também. Se é esposa do amigo mais velho os amigos e esposas te darão muito mais respeito do que para as esposas dos amigos mais novos. Então imagina se ele se coloca contra a família, quantos amigos e parentes ficarão palpitando no ouvido dele e dos pais.

Antes eu achava que se o rapaz realmente amasse, ele iria contra tudo e contra todos. Mas hoje vejo que não é bem assim. Eles tem os motivos deles que nós não entenderíamos tão facilmente. Hoje vejo que o rapaz também pode se casar com o coração partido pois não teve escolha. A diferença é que eles aceitam e nós não. Mas isso não quer dizer que eles não fiquem infelizes com a situação. Para eles o importante é casar e ter filhos e o amor vem com o tempo, com a convivência. A diferença é que eles aceitam isso.

Então é muito complicado se entregar nas palavras "eu te amo". Isso não é garantia.

Entre os próprios indianos isso também ocorre. Se a família da moça descobre que ela se corresponde com algum rapaz, eles logo a proíbem de usar o computador, fazem cancelar as contas de sites de relacionamentos, etc. E não é só a família que se intromete: os amigos do irmão e vizinhos também. Uma moça na India é vigiada o tempo todo. E não é permitido amizades e namorinhos nem mesmo pela internet. Se o rapaz não for da mesma casta e não tiver o mesmo nível social, piorou.

Para um casamento ocorrer na India, eles consultam o mapa astral, a casta, as características fisicas, se tem a pele clara, escura, alto, baixo, gordo, magro, rico, pobre, antecedentes, se fuma, bebe, o histórico da família que se estende até os avós e bisavós, terras, se a família tem boa reputação e por aí vai...fora as exigências extras.

Hoje eu penso assim, se o rapaz te ama mas a família não o impede de seguir em frente, ele realmente fará tudo por esse amor. Mas se a família e os amigos são um obstáculo, será muito difícil pra ele se colocar contra. Mesmo te amando. Realmente é uma cultura muito difícil de se entender, mas como se diz: " O amor tem razões que a própria razão desconhece".

Esse filme ( com legenda em inglês) conta a história de dois jovens que se apaixonam em Londres, mas a moça já estava prometida a outro rapaz, desde que nasceu e, ao completar 20 anos de idade, deveria retornar à India para se casar com o prometido. A partir daí inicia a saga de se casar com o homem dos seus sonhos e ficar contra a família ou com o homem prometido que ela nunca viu na vida.