Café com Chai

Observações de uma brasileira sobre a cultura indiana.

sábado, 29 de setembro de 2012

Enquanto isso na Ásia..Hit do momento Gangnam Style

Os coreanos estão com tudo minha gente!!!





Até Nelly Furtado entrou nessa



Agora me fala..que bosta aquela versão do latino heim..letra ridícula e como sempre com apelo sexual se referindo às mulheres como pura diversão. Eu preferia não saber que ele fez mais uma versão..que enoja.

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Para as meninas que tem um amor virtual

Olá! Tudo bem com vocês??

Eu queria ter uma fórmula mas não tenho..mas vou tentar usar as palavras certas. Talvez o que eu escreva aqui tenha sentido pra vocês, talvez não. Mas eu quero tentar ajudar a esclarecer alguns pontos, algumas dúvidas. Pra quem está no começo do namoro virtual talvez seja mais fácil observar certas coisas que eu vou falar. Mas quem já estiver na paixonite aguda provavelmente vai ignorar tudo isso aqui..rsrs

Eu também já tive insegurança. Eu pensava que ele poderia não levar o relacionamento tão a sério...também já chorei muito, fiquei até doente por conta de um sumiço que ele deu uma vez..morria de medo da família não aceitar, ou de repente ele conhecer outra pessoa, sei lá..era tanta coisa que passava pela minha cabeça..

Mas eu insisti nesse relacionamento pois eu tinha que confiar no que ele fazia por mim. Às vezes ele pisava na bola em uma coisa, mas compensava em outra.

Vou começar pelos sumiços..quando o cara começa a desaparecer, fica dias sem entrar na net, dá desculpa de que não tem computador, ou a internet cai toda hora fique esperta...quando o cara quer, ele dá um jeito, avisa dizendo que não virá por alguns dias e o motivo, ou entra na internet do amigo ou usa uma das dezenas de lan houses que eles tem por lá e que eu saiba não é tão caro assim.

Um sumiço pode ser: uma noiva, ou ele conversa com várias na internet, ou já é casado.

Conhecer a família e apresentar aos amigos:
 Não sei se isso é regra, cada um tem uma criação, uma cultura. Eu sempre insistia muito pra conhecer a mãe e o pai. Pois eu via as meninas dizerem que o cara chamava os pais do nada e apresentava a moça para eles pela webcam...eu sonhava com esse momento, mas comigo foi diferente.. Ele demorou muito pra nos apresentar na cam. O pai dele não estava bem de saúde, e era verdade. Só os conheci mesmo pela internet quando ele veio para o Brasil. Não sei se era insegurança dele, ou o que se passava.

Teve uma vez que comecei a desconfiar dele, fiquei brava...aí ele ligou pra mim e disse pra falar com a mãe dele pelo telefone mesmo. Disse que fez isso porque eu estava desconfiada.  Quando conheci os pais na internet eles deram a benção..então fiquei sossegada. Portanto, conhecer a família ou não pela net não garante nada, mas por via das dúvidas é bom que ele apresente sim, pelo menos seu coração fica mais tranquilo. No meu caso eu exigi sim conhecer a família, afinal se a gente falava em casamento, eu tinha direito de conhecê-los.

Gente os indianos não pedem dinheiro pra mulher. Para eles é humilhante. E quem banca o casamento é o homem. Até a festa. Não acredite em homem que se faz de coitado e pede dinheiro na internet. Não dê dinheiro. Às vezes é uma mulher, um fake que se aproveita disso. Quando você vai ver não existe indiano nenhum ou o cara pede dinheiro e depois desaparece. Em 3 anos de namoro virtual eu nunca enviei dinheiro, ele nunca me pediu, nem mesmo pra comprar as passagens dele. Homem no Brasil paga a conta né! O oriental também e se duvidar paga 2x só pra você não abrir a carteira.

Não seja boba!!

Desconfie se ele conversa com outras brasileiras. Não é bom sinal.
E também não adianta você ficar adicionando os amigos dele achando que vai descobrir alguma coisa ou se sentir mais íntima e conhecer melhor a cultura. Você só vai queimar seu filme. Isso gera ciúme dele e desconfiança. Eu já cheguei a cometer esse erro e isso só atrapalha.   Então comecei a mostrar que me importava com a opinião dele e não tinha a intenção de conhecer outro indiano e arrumei um jeito de mostrar isso..se algum indiano me adicionava, eu dizia pra ele que fulano estava me adicionando, e queria saber se ele conhecia.Se fosse amigo dele, eu perguntava se eu podia aceitar. Se não fosse, eu não aceitava e deixava bem claro isso.

Acho que a gente deve fazer a nossa parte também...e com jeitinho conseguimos o que a gente quer. Pois da mesma forma que temos nossa insegurança, eles também tem..ainda mais se aparece um monte de mensagem de rapazes na sua página. Você tem que passar segurança pra ele também.

Pedidos estranhos na webcam, fotos de bikini, etc não mostram o amor dele por você. Depois ele vai ficar mostrando para os amigos e você não sabe se ele está com um monte de gente atrás do computador te assistindo e rindo da sua cara. Não adianta ele vir com a história de que é seu noivo, namorado, e tem direitos sobre você. Ele não tem direito nenhum. Quem garante que ele não vai fazer um vídeo e colocar na net?? Saiba se impor. As indianas sabem impor respeito muito bem..e nós também sabemos! Veja se eles ficam assim com as indianas? Claro que nem todas são santas..mas é mais difícil..muitos nem tentam!

 Indiano respeita a mulher que será a esposa dele. Um indiano de caráter espera o momento chegar, sonha com o dia que ele vai ter uma mulher só pra ele, na intimidade e não na tela de um computador.

Desconfie das centenas de feriados e você só fica sabendo depois, das vezes que ele não atende o celular, se ele não manda fotos recentes, se tem poucos amigos na lista. Talvez ele realmente não possa estar online..ou por motivo de viagem ou é casamento de um amigo, depois casamento do vizinho..depois feriado,  etc..mas ele pode avisar se quiser, mesmo que por mensagem offline. E quando você precisar, faça isso também, deixe avisado de que não virá. Mesmo que ele não faça com você, mas procure dar o primeiro passo.

Acho que só uma vez ele deu sumiço. Se sumiu outras vezes no início não me lembro, até porque eu não prestava atenção nisso, afinal ele era apenas um amigo pra mim. Nunca imaginei que poderia me apaixonar!  Foi na época que ele perdeu o celular, e disse que não veio online porque estava doente, bla bla bla..sumiu por umas 2 semanas ele não entrou em contato comigo..eu chorei muitooo, fiquei doente mesmo, foi horrível...mandei milhares de mensagens offline falei um monte, disse adeus..mandei mensagem para o primo perguntando dele, ninguém sabia onde ele estava, fiquei com raiva, imaginei milhares de coisas, que ele tinha se casado com outra e nem me falou nada, que estavam mentindo pra mim etc..de repente ele me liga no celular e disse que estava doente e sem celular...ok acreditei, afinal ele veio dar uma satisfação, ele nunca havia feito isso antes (apesar de até hoje eu achar que ele inventou que ficou doente em outra cidade para fugir de um casamento arranjado e não conhecer a moça)

Gente só acho que quando a pessoa não tem motivos sérios nada impede de te dizer onde está ou porque não veio online. Claro que desconfiei mas o alívio de ele ter dado uma satisfação me acalmou. Infelizmente a distância nos dá uma insegurança enorme.

Não se deixe levar pela religião. Infelizmente muitos se escondem atrás de uma religião e fazem coisas erradas.

Não fique ligando para o bofe todo dia, toda hora, enchendo o saco,  para reclamar, fazer cobranças toda hora. Ou dizer te amo toda hora. Homem é homem em qualquer lugar do mundo. E homem odeia isso.

Ligue de vez em quando pra falar algo rápido, romântico.. já é o suficiente pra ele lembrar de você e ficar com vontade de ouvir novamente sua voz...ficar com saudade! Mas nada de ficar enchendo o saco do cara..no trabalho, em casa, ou quando ele estiver com os amigos, encher de e-mail, sms..etc

Se você ligar, custa nada perguntar se ele pode falar, se está muito ocupado..se ele estiver com os amigos converse bem rapidinho..homem odeia ser interrompido quando está com os amigos. Se ele disser que está ocupado, ligue no outro dia ou espere ele vir online. Até porque a ligação é cara.. não dá pra ficar tanto tempo no telefone rs

Eu não tenho a fórmula do relacionamento de internet até porque eu também passei por muita coisa pra chegar aqui mas acho que quando a gente se envolve pela internet deve agir da mesma forma que um relacionamento normal. Saber por que a pessoa não veio online, receber alguma satisfação, ter alguma demonstração de confiança.....e nós também devemos fazer nossa parte, passar confiança também. Não ter um monte de indianos, árabes, etc no perfil e não ter fotos sensuais já é um bom começo pra desenvolver uma relação de respeito.

Também já morri de ciúmes e tive que me conter, não demonstrar, respirar fundo...também tive dias que não me contive e soltei o verbo ...já pensei em deixar tudo pra trás e ir pra India..também já brigamos, fizemos as pazes...já tive minhas desconfianças,...mas sabe quando eu percebi que a relação era pra valer? Quando eu percebi que chegamos num ponto em que ele me conhecia realmente, o que seu sentia, eu podia contar meus problemas, eu podia pedir um conselho, coisas que nunca conversei com ninguém, momentos felizes e tristes. Eu não me sentia mais sozinha. Mesmo longe eu sentia como se ele estivesse sempre comigo!!

 Se algo dava errado, era pra ele que eu vinha contar. Se algo de bom acontecia, ele era a primeira pessoa a saber. As conversas saíram do eu te amo, não sei viver sem você, para algo mais profundo e realista, passamos a dividir o dia a dia..onde eu ia, o que eu fiz..e ele também dividia comigo. Foi aí que vi cumplicidade. Foi aí que percebi que não era uma paixonite, nos conhecíamos um ao outro e vimos que tínhamos coisas pra descobrir sobre o outro cada vez mais. Claro, na internet é tudo mais fácil se comparar na vida real onde tudo aparece de uma vez..e os nossos defeitos são vistos a olho nu. E a gente acha que na vida real vai ser sempre mais fácil..mero engano ! rs Mas veja os sinais que a pessoa te passa.

Sinceridade 100% acho que ninguém passa num relacionamento virtual. Isso é normal.  Mas ele atende suas ligações? Lembra do seu aniversário? Fala da vida dele pra você? Vem online com certa frequência? tem assuntos saudáveis e te respeita? Analise cada coisa que ele faz por você e coloque na balança. Claro que cada um tem seu tempo. Mas acho que isso é o básico em um relacionamento virtual.

A gente sabe que relacionamento não é receita de bolo..eu também procurei centenas de histórias na net, opiniões..mas resolvi seguir em frente e acreditar, fazer a minha parte. Muitas histórias em vários blogs me deixaram preocupada, outras me deram incentivo...mas na vida tudo é assim..a gente precisa arriscar..mas com um pezinho no céu e o outro no chão, ok?!!

Beijos!!!



Relacionamentos - Dicas - Conflitos em geral


Eu já queria falar sobre isso, mas fui adiando, até que agora que estou em casa, novamente tentando me distrair, e achei um bom momento de inspiração para tocar nesse assunto. Já vou avisando, o texto é longo.

É claro que não posso generalizar, pois não tenho competência pra isso, apenas me baseio nas histórias que já li  em outros blogs, relatos de garotas casadas com indianos ou que namoram um e principalmente me baseio na cultura indiana e no meu relacionamento. Eu quero deixar claro que cada parte da India tem um modo de vida, muitas coisas mudam de região para região, então o que eu disser aqui pode ou não coincidir com coisas que você viveu ou vive.

Nesse texto eu vou abordar características da cultura punjabi - sikh. Um punjab é cabeça dura. Imagine uma região que sofreu invasões foi dominada pela Persia (Irã) por muitos anos. Se até hoje nós temos nossas raízes de Portugal, é de se esperar que eles também tenham suas raízes e costumes persas. Por isso muitos dizem de forma equívoca que sikhismo carrega alguns traços do islamismo. Mas como já disse em outro post, são religiões distintas. O que fundiu foi cultura e não a religião.




Se o seu marido ou namorado não é assim do jeito que eu vou falar aqui, pois é querida, você foi a contemplada! ele faz parte da minoria!

Quero falar daqueles cheios de tradição e costumes, e não daqueles "ocidentalizados" que nasceram e viveram fora da India e já se acostumaram com o costume ocidental,  com shortinhos e mini saias.

É aquela história, enquanto é namorada ou uma paquera eles não interferem muito nas nossas vontades. Mas depois que casa, para muitas garotas a história muda.

Eu já vi algumas indianas mais modernas que são de  Delhi e Mumbai e usam roupas como usamos aqui, jeans e regatinhas, saias, vestidos, tem tatuagem, etc... mas fora desses lugares os indianos são na maioria conservadores.

Muitos parecem ser "moderninhos" ou "mente aberta" na internet mas  a realidade quase sempre é outra. Quando o seu Raj se deparar com a idéia de que agora ele tem uma esposa, ele não vai querer nenhum "zóião" fique em cima de você. Ele vai tentar mostrar para os outros: "a minha esposa é firangi mas segue a minha cultura, ou ainda: "veja a minha esposa é firangi mas é tão inocente quanto uma esposa indiana."

Não se iluda antes de conhecê-lo muito bem, mesmo se já morou em Londres, Austrália, ou qualquer outro lugar da face da Terra. Evite aquele lance de intimidade, ficar e namorar. Muitos nem sabem como tudo isso funciona...ou já sabem muito bem e não levam isso a sério.  Mesmo se voce não liga pra esse formalismo, mas para a cultura punjab os casais só tem tem intimidades após o casamento.  Se ele respeitar você e também a religião dele, é natural que intimidades com um punjab sikh só ocorram depois de casar. Não caia no risco de ser só uma aventura. Um sikh de verdade não tem contatos físicos com as mulheres.

Converse sobre muitas coisas antes, e procure sanar todas as suas dúvidas antes do casamento.
Às vezes alguns assuntos ficam pendentes e se ele descobre ou entra em conflito no momento que te conhece pessoalmente pode ser um problema e desfazer o relacionamento na hora sem dó nem piedade (e isso parece que eles sabem fazer muito bem). Procure esclarecer tudo antes da sua viagem ou antes de recebê-lo aqui.

Vamos falar de ciuminho ou "ciumão"?? Alguns já demonstram logo no começo. Reclamam pela internet que não gostam que você faça isso ou aquilo, então imagine..se ele é assim hoje, imagine depois?..você seria capaz de passar por isso a vida inteira? Cuidado com o ciúme doentio. Algumas meninas gostam disso, acham que é sinal de que eles tem domínio, tem poder da situação, coisa de macho, coisa de homem oriental, asiático...mas cuidado.

Enquanto outros não demonstram muito o ciúme nas redes sociais, não quer dizer que são seguros e cheios de si.. Isso cria uma falsa impressão para aquelas que se apaixonaram exatamente por achar ele um rapaz tão doce que nem briga por ciúme. Mas depois que casa o ciúme e proteção exagerados que eles tem pode sufocar, pegar de surpresa. O motivo é que eles se sentem donos da mulher, sim isso é arcaico, mas é assim que muitos pensam e claro, nenhuma mulher é obrigada a aceitar isso. Mas fica a dica.

E quando o assunto é roupa?? Hoje é uma blusinha, amanha é a calça, depois o vestidinho que voce adora..e por aí vai. Alguns tem conflito por isso, e pelos próprios indianos, os punjabs são vistos como  conservadores. As moças estão sempre cobertas. Nada de decotes, shorts ou saias curtas, vestidinhos. 
No máximo uma blusinha de manguinha. A maioria usa salwar kameez (punjab suit). Eles dizem que é para o corpo não chamar mais atenção do que o intelecto. Para um rapaz se casar com uma moça pelo que ela é, e não pelo corpo que tem.

Saiba que para eles é um orgulho ajudar a esposa a escolher o que vestir ou palpitar se a roupa está  ok ou não, mas pra muitas de nós brasileiras isso pode ser uma ruga a mais de preocupação.

Muitas garotas até gostam entendem como proteção, como cuidado. Até hoje não sei ao certo definir. A maioria não gosta de ser controlada o tempo todo. Já as indianas suportam tudo isso com muita facilidade pois elas são controladas a vida inteira  pelos pais e pela sociedade.

Geralmente o indiano não sabe o que é privacidade, porque ele se sente íntimo o suficiente, afinal ele é seu marido, e na cabecinha deles entre marido e esposa não existe aquela coisa de "isso é meu" e "isso é seu". Para eles tudo é do casal.

Lembre-se de que muitos não tiveram contato com outras mulheres e o convívio com mãe, irmã ou primas é muito reservado, entre eles não existe a liberdade de conversar e perguntar o que bem entender. Então essas manias e "chiliques" de mulher quando não gostamos que mexam nas nossas coisas é algo muitas vezes desconhecido e ignorado por eles.

Voce tem amigos homens e eles te cumprimentam com beijinhos??  Talvez não mais beijinhos, abraços e afins. Claro, voce pode fazer ele aceitar dia após dia. Mas saiba que os indianos odeiam que outros homens toquem suas esposas. Eles O-D-E-I-A-M. (Guarde bem essa palavra). Até aperto de mãos em determinadas regiões da India (Rajastão e Punjab, por exemplo) ainda é complicado e não é porque voce está no Brasil que vai ser diferente. No meu caso, eu não tenho problemas com aperto de mãos..mas fui "aconselhada" a não permitir mais os cumprimentos com beijinhos no rosto. Mesmo aqui no Brasil, os indianos que conhecemos nunca tocam em mim ao me cumprimentar. Eles usam o namaste ou sat sri akaal ..isso já é da cultura deles. No começo a gente pode estranhar essa distância nos cumprimentos, mas depois acostuma.

Bebidas alcoólicas? Comece a se acostumar com sucos naturais, groselha, tang, refrigerantes...mas se voce que gosta mesmo é de uma cervejinha, vinho, tequila, caipiroska e cia melhor se acostumar com a idéia de diminuir, parar de vez ou ter que beber com olhares te incriminando. Pelo que já li por aí 98% das indianas no Punjab não ingerem bebidas alcoólicas. Não sabem nem o que é uma cervejinha, champanhe e coisas do tipo. Deixe isso claro para o seu amor que voce é fã de uma bem gelada e se ele  aceitar..ótimo! Claro, não vai dar uma de doida e assustar o cara. Essas coisas deixe pra falar no calor das oportunidades. As vezes eles entendem e levam tudo numa boa por que sabem que  as estrangeiras tem esse costume mais liberal, por isso alguns não têm problema.. mas uma coisa eu te falo...se voce beber na frente dos amigos dele, pode ser fácil ver ele morrer de vergonha pois a maioria dos punjabis não enxergam com bons olhos uma mulher que ingere álcool. Procure saber a opinião dele, e se ele não se importa ok, do contrário te aconselho a pensar sobre isso.  No meu caso, eu bebo uma cerveja ou um chopp de vez em quando no verão, ou um champanhe em datas festivas, mas ele sempre diz pra nao beber quando estivermos na India.

Cigarro? Do mesmo jeito que muitos detestam mulher que bebe álcool eles detestam mulheres que fumam.  Até hoje eu não vi nenhuma indiana com cigarro nas mãos. Então, tenha certeza se o seu amor não vai se importar com cigarro,  do contrário passe longe disso.

Seu amor é vegetariano?  Ele teria problema em te ver comer carne de vaca, carne de porco? Os indianos em geral não comem carne de porco e nesse caso não importa a religião.. Se voce gosta de uma feijoada, torresmo, pizza de calabresa, hamburguer com bacon..humm (que delícia) melhor saber se o bofe fica de boa ou não.

 Imagine se você e sua  família toda gosta de uma buchada, um salaminho, hot dog (já pensou quanta coisa?) e o cara é vegetariano? Fica complicado. É bom dar um jeitinho de saber disso antes.

Você está pensando em se tornar sikh? Conheça muito sobre a religião e os costumes.Uma mulher puramente sikh cobre os cabelos, não deve ter vícios (não bebe e não fuma), não come nenhum tipo de carne. Mas isso é o máximo de um sikh. Até entre elas é difícil ser assim, não é uma mudança impossível mas acho que se for aos poucos é melhor. Da mesma forma aqui no Brasil, por exemplo,  poucos conseguem se tornar evangélicos da noite para o dia e deixar de usar roupas curtas, maquiagens e brincos..a mudança é aos poucos.

Masss...toda regra tem exceção. Vejo casais super liberais que saem pra beber, dançar, a mulher usa a roupa que quer e tá tudo na paz até mesmo vivendo na India. Mas estou falando dos indianos que são do "interior" dos sikhs que nunca viajaram para o exterior, principalmente aqueles que são de vilarejos  isso que falei é babado!

Muito disso sabe por que?? Eles dão muito valor para a reputação, opinião alheia, mexericos dos vizinhos,  então é óbvio que ele quer mostrar que a esposa dele é a melhor do mundo.

Eles cresceram numa sociedade onde as mulheres ainda são submissas (não adianta eu querer cobrir o sol com a peneira) então eles tem a visão da mulher do mesmo jeito que eles viram as irmãs, primas e vizinhas serem criadas. Eles sempre viram a mulher como um ser frágil que precisa de proteção,  idealizam a mulher meiga, delicada, de família, que não fuma, não bebe, virgem, não sai de casa, que até então sempre viveu na casa dos pais e só saiu de lá para ir para a casa do marido. Então se voce for uma rebelde sem causa deixe bem claro antes os seus gostos.

O indiano gosta de ser paparicado. Todo mundo gosta de se sentir amado, e com eles não é diferente. Ele vai esperar muito de você. Gosta de comidinha pronta..para eles é obrigação da mulher cuidar da cozinha. Nem que seja um pão com manteiga mas eles esperam que seja feito por voce.

Isso tem sinônimo de cuidado, carinho.  Eles se tornam dependentes da esposa para isso...  Ele espera que voce faça pois aprendeu que ele trabalha e você cuida da casa.

 Indiano na cozinha? sim claro, eles também gostam de ajudar nos afazeres e fazer uns mimos para a esposa, uma comidinha indiana para ela e também para os amigos.... vai depender do humor dele!


 Então se voce gosta de cozinhar..já ganhou o bofe. Mas se voce nao gosta de cozinhar sinto muito minha amiga....para um homem que passou a vida vendo as mulheres da casa cozinhando vai ser muito difícil para ele se acostumar com a idéia de ter que fazer macarrão miojo todos os dias.

 Não precisa fazer um banquete ou entrar num curso de culinária indiana...pode ter certeza que um arroz com feijão é tudo! Essa é aquela dica infalível das nossas avós que diziam: " O homem se conquista pelo estômago!" é incrível mas uma comidinha mais caprichada muda até o humor!!


 Eu sempre digo que as pessoas não mudam. Ninguém tem o poder de mudar ninguém. Só Deus faz alguém mudar e para Deus. Porém cedi em certas coisas que antes eu não cedia e me colocando no lugar dele vi que ele não deixava de estar certo por isso tive que mudar alguns hábitos, como roupas (não deixei de usar blusas de alcinha e regatinhas mas hoje uso com menos frequência), bebidas (só tomo uma cerveja de vez em quando, esporadicamente) e cortei carne de porco de vez. Mas no começo eu também já tive conflito com isso..pensava: será que estou perdendo a minha identidade?? Toda mudança deve ser lenta e de coração. Mudanças drásticas só pra agradar alguém não dão certo.

Não adianta falar "ahh mas ele vai ter que me aceitar assim". Mas  pra alcançar algumas coisas é preciso conciliar, conversar, analisar e também ceder.

Aos olhos de muita gente pode parecer machismo. Sim e se você quer embarcar nessa, saiba que a cultura oriental/asiática deixa bem claro as obrigações do homem e da mulher.  Mas também não consigo imaginar o inverso. Não consigo imaginar meu marido usando meus perfumes e eu usando os perfumes dele, entende o que eu quero dizer? Não dá! Cada um tem o seu papel.

Confesso que idealizo o homem no seu papel com divisão de tarefas, no seu papel de homem, aquele que protege e cuida da família...não adianta só falar coisas bonitas, tem que ter atitude, tem que trabalhar e ter dignidade, ser gentil..e isso eles sabem ser! Carregar sacolas, peso? Nem pensar!! Pagar a conta e cuidar da família é especialidade deles.



 Homem tem que ser aquele que se preocupa em satisfazer a esposa em todos os sentidos da mesma forma que nós mulheres também nos preocupamos com o bem estar do marido.

Casamento é isso,"sociedade conjugal". Se não tiver ordem no barraco o negócio desanda. Uma casa tem que ter divisão de tarefas, deveres e obrigações também. Tem que ter ordem.

Se você quiser comparar com a cultura ocidental, pode achar que o machismo também está presente, pois a mulher sai cedo para trabalhar e quando volta ainda tem que cuidar dos filhos, casa e marido, o que muitas vezes desgasta o casamento, os dois estão cansados, estressados e só sobram cobranças dos dois lados.




Onde está o verdadeiro machismo? Acredito que em primeiro lugar está naquele que começa a tirar da mulher o direito de estar mais tempo com filhos, educando, participando das atividades deles, da amamentação, da infância do pequenos. Vejo muitas mulheres reclamarem de terem sido "mães ausentes" e se culpam por isso.  É comum inferiorizar a dona de casa, mãe de família, como se fosse uma vergonha ser "do lar". Aqui no Brasil é comum ouvir "você é louca! vai fazer o que da vida? Vai virar dona de casa??"

A mulher tem direito de ser do lar sim, assim como tem direito a trabalhar fora, mas sem se anular como mãe e como esposa e sem deixar de cuidar do seu intelecto.  Admiro a valorização da mulher na sociedade, como mãe, como executiva ou como dona de casa. A escolha deve ser dela. E seu marido deve ajudar na sua opção.




Voltando ao foco, por mais moderno que seja o homem, ele sempre vai esperar algumas responsabilidades da esposa assim como nós também esperamos responsabilidades de nossos maridos.

O homem quando casa quer e espera ser tratado como um Marajá, mas com certeza ele fará tudo o que estiver ao seu alcançe para tratar a esposa como uma Maharani (rainha).

O mais importante: seja você mesma sempre. Nunca esconda coisas relevantes.  Saiba impor suas vontades quando necessário mas também saiba ser flexível. Nós mulheres não precisamos bater o pé sempre para conseguir tudo. Temos o nosso jeitinho também! O equilíbrio é fundamental. Às vezes o que ele implica hoje, amanhã não implicará mais.

Só diga que seu amor é "mente aberta" se ele não se importa com nenhuma dessas coisas que citei acima. Não caia na besteira de pensar que ele é moderninho e depois ver que a realidade é outra. É preciso estar preparada para enfrentar de tudo num relacionamento entre culturas diferentes, conhecer o chão que você pisa e com isso diminuir os problemas de adaptação.

São tantos detalhes que parecem bobos, inúteis, mas é no dia-a-dia que sentimos a importância deles!

E o mais importante na minha opinião: Metade da laranja não existe. Pare de procurar metade da laranja, da maçã, do abacaxi.. Todos nós nascemos inteiros.Ninguém completa ninguém. O seu amor deve te fazer feliz e não entrar na sua vida para "completar" você. Uma pessoa deve entrar na sua vida para "aumentar" o que já é bom: o seu amor, a sua família, os seus sonhos, os seus objetivos, os seus desejos.

 Não espere de alguém aquilo que você não pode dar a si mesma.  Quanto mais criamos expectativas, mais nos decepcionamos. É aquela história, quanto mais alto o sonho, maior a queda. Procure enxergar a realidade e os defeitos dele também. O psicológico da gente é tudo.

Por que os casamentos arranjados no Brasil antigamente davam certo? Porque as pessoas não criavam expectativas em relação ao parceiro. Casavam porque tinham que casar. Então ao longo do tempo cada atitude inesperada, cada gesto de carinho, e cada qualidade, chamava a atenção do parceiro. ( Lembrei da história da Bela e a Fera, pois no fundo a fera nem era tão ruim assim rs!) Sabe as mensagens subliminares dos desenhos que a gente assistia na infância?? Antes as princesas conheciam os sapos, se apaixonavam por eles como sapos e eles viravam príncipes. Ou seja, se nos apaixonamos sem criar expectativas, apenas pelo que a pessoa é..a surpresa é mais agradável. Mas hoje, as princesas conhecem os príncipes, se apaixonam pelos príncipes e depois do casamento eles viram sapos.
Porque hoje em dia nós criamos uma imagem da pessoa, a paixão nos cega, imaginamos o par ideal, como deve ser, como deve se vestir, se tem barriga de chopp..se não tem.....e quando não corresponde às nossas expectativas, vem a frustração.

Procure conhecer a cultura dele. Muitos não são nada do que eu falei aqui. Outros podem ser tudo e  um pouco mais. Informação nunca é demais. Quando uma pessoa está preparada para lidar com o que vier pela frente ela consegue enxergar tudo por um outro ângulo e resolver o problema de uma forma mais simples!



Beijoss!

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Eu adoro essa música!

 Está no filme Fashion.


adi  krah... di  krawa
wal_hawah... wasamah 
wadi krah... hitawahat 

Allah dukha ... wasamah 
latehwal flahwahat 

Allah dukha... wasamah 
wadi  krah... hitawahat 

Allah dukha ... wasamah... 


Mar Jawan Mar Jawan ...
Tere Ishq Pe Mar Jawan
Mar Jawan Mar Jawan ...
Tere Ishq Pe Mar Jawan

Bheegi Bheegi Sapno Ka Jaisa Khat Hai Yeh
Hayyyy ...
Geeli Geeli Chaahat Ka Jaise Lat Hai Yeh

Mar Jawan Mar Jawan ...
Tere Ishq Pe Mar Jawan
Mar Jawan Mar Jawan ...
Tere Ishq Pe Mar Jawan

adi .. krah .... di .. krawa ....
wal hawah ..... wasamah ....
wadi ... krah .... hitawahat ....

Allah dukha ... wasamah .....
latehwal ... flahwahat ....

wal hawah ..... wasamah ...
wadi ... krah .... hitawahat ....

Allah dukha ... wasamah ....

Soche Dil Ke Aisa Ho Kash ho
Tujhko Ek Nazar Meri Talash Ho
Jaise ... Khwabo Hai Akhon Mein Base de Meri
Waise ... Neendo Pe Silvate Pare Meri

Bheegi Bheegi Armaano Ki Rahad Hai Yeh
Hayyy ...
Geeli Geeli Kwahish Bhi Tho Behad Hai Yeh

Mar Jawan Mar Jawan ...
Tere Ishq Pe Mar Jawan
Mar Jawan Mar Jawan ...
Tere Ishq Pe Mar Jawan

adi .. krah .... di .. krawa ....
wal hawah ..... wasamah ....
wadi ... krah .... hitawahat ....

Allah dukha ... wasamah .....
latehwal ... flahwahat ....

wal hawah ..... wasamah ...
wadi ... krah .... hitawahat ....

Allah dukha ... wasamah ....

As diferentes noivas da India

A India é um país extenso, o sétimo maior país em área geográfica e claro, em cada parte encontramos muitas diferenças, seja nos costumes, tradições, idiomas e roupas. São 28 Estados e 7 Territórios da União. Cada Estado tem seus próprios costumes e tradições.

Por isso é muito difícil entender exatamente o que é um costume ou não em cada região. O sistema de castas influencia muito e vale lembrar de que a India sofreu muitas invasões no passado, o que fez com que cada povo deixasse sua marca. A partir daí podemos visualizar melhor: 28 Estados com centenas de diferentes tipos de casamentos e centenas de diferentes costumes. Mas os indianos são unânimes numa coisa: o amor ao ouro! Não importa de qual canto da India a noiva pertença. Haverá sempre muito ouro enfeitando ela!!

Vamos ver os vestidos e maquiagem de uma noiva punjab, uma muçulmana e uma noiva do Sul?

Eu ainda não consigo identificar logo de cara, mas quanto mais eu conheço a cultura punjab, mais eu consigo por exclusão identificar a região de algumas noivas. Por exemplo, eu acho muito parecido o visual da noiva punjab indiana e de noiva punjab paquistanesa (calma..eu sei que o Paquistão não fica na India, mas a semelhança entre as roupas ainda é muito grande). Mas são todas lindas, não é mesmo?!!

Uma equipe de cabeleireiros e maquiadores se propuseram a vestir as três noivas. Vamos ver como ficou?

A noiva Punjabi foi usado tons de rosa graciosos e acentuando sua feminilidade delicada. Sombra iluminadora e bochechas rosadas deram um charme espetacular, e elegante. Com seu cabelo feito em um coque em camadas, a noiva representa os casamentos luxuosos e ricos do norte da Índia.



A noiva muçulmana em toda a sua beleza foi dada tons reais de ouro e verde para trazer vivo o seu rico património. Esmeralda profundo nos olhos com cores metalizadas representando a recatada, mas elegante e confiante mulher muçulmana. A longa trança embelezada completou seu look deslumbrante.

Lembra que em outro post eu falei que a tikka (enfeite do cabelo) é usada mais de lado, e não no centro da testa? É uma característica típica de uma noiva muçulmana.

Revelando a gloriosa cultura e as tradições do sul da Índia, a Noiva Tamil exemplificado tons de terra com uma tonalidade de ouro destacando suas maçãs do rosto. Tonalidade marcante nos lábios, com lindas flores no cabelo completaram o visual.





Note - Information provided by PR


Vamos ver mais algumas noivas de diferentes partes da India:


Noivos muçulmanos de Kerala

Bengali

Sikkim- Himalaia

Coorgi, Karnakata.

Garhwali, Himachal.

Gujrat

Kerala

Caxemira

Noiva muçulmana, Kerala

Kumaoni, Himachal

Malabar

Noiva cristã malayali, Kerala.

Hindu malayali, Kerala

Marathi, Maharashtra

Punjab

Rajastão

Rajput, Rajastão

Reddy, Sul da India

Noiva Cristã, Kerala.

Noiva da Caxemira

Caxemira
Beijos!!!

Os Sikhs no Punjab


As raízes do Sikhismo começaram na época da conquista do norte da Índia por Babur. Seu neto, Akbar, apoiou a liberdade religiosa e depois de visitar o langar (tipo de refeitório onde são servidas refeições para a comunidade)  de Guru Amar Das Ji  teve uma impressão favorável do Sikhismo. 

Como resultado de sua visita, ele doou terras para o langar e teve uma relação positiva com os Gurus Sikh, até sua morte em 1605. 
Langar

Seu sucessor, Jahangir, viu os sikhs como uma ameaça política. Ele prendeu Guru Arjun Dev por causa do apoio Sikh para Khusrau Mirza e ordenou que ele fosse condenado à morte por tortura. O martírio de Guru Arjan Dev levou ao sexto Guru: Guru Har Gobind, que declarou a soberania Sikh na criação do Takht Akal (símbolo da soberania sikh) e a construção de um forte para defender Amritsar. 

Akal Takht Sahib, Amritsar
Akal Takht iluminado no Guru Nanak Jayanti ( Aniversário do Guru Nanak), no complexo do Golden Temple em Amristar. 

Akal Takht e Harmandir Sahib (Golden Temple), Amritsar, Punjab, India. 
Jahangir tentou afirmar sua autoridade sobre os sikhs prendendo o Guru Har Gobind no Forte Gwalior. 
Forte Gwalior
Depois Jahangir começou a sofrer premonições de uma morte precoce e brutal e se sentiu obrigado a libertar o guru, mas o Guru se recusou a ser libertado a menos que as dezenas de príncipes hindus presos com ele  também fossem libertos, e Jahangir concordou.

Sikhismo não teve problemas com o Império Mughal (império persa) até a morte de Jahangir em 1627. Os indianos chamam o império persa de Mughal. Seu sucessor, Shah Jahan "ofendeu" a soberania Guru Har Gobind e após uma série de problemas na cidade de Amristar  forçou os sikhs a recuarem para as colinas nas montanhas do Himalaia (Sivalik)  . O sucessor de Guru Har Gobind, Guru Har Rai, manteve a guruship (local de reuniões sikhs) nas montanhas do Himalaia derrotando tentativas locais de confiscar terras Sikh e teve um papel neutro na luta de poder entre Aurangzeb e Shikoh Dara para o controle da dinastia Timurid.

Rio Ganges cortando as colinas Sivalik no Himalaia
O 9º Guru , Tegh Bahadur, mudou  a comunidade sikh para Anandpur e viajou para visitar e pregar em comunidades sikh contra o governo de Mughal. 
Ele ajudou pandits da Caxemira ao recusar a conversão ao Islã e foi preso e confrontado por Aurangzeb. Os Mughals exigiram uma escolha entre a conversão à religião ou a morte. Ele escolheu morrer ao invés  de comprometer seus princípios e em razão disso foi executado. 
 Guru Gobind Singh assumiu o guruship em 1675 e para evitar batalhas com os Rajas das Montanhas Sivalik, mudou a guruship para Paunta. Ele construiu uma fortaleza grande para proteger a cidade e guarnecido de um exército também. 
O poder crescente da comunidade sikh alarmou os Rajas das Montanhas Sivalik, que tentou atacar a cidade, mas as forças do Guru levou-os para a  Batalha de Bhangani. Depois ele se mudou para Anandpur e estabeleceu o Khalsa (em Persa significa Puro), um exército de batizados sikhs, em 30 de março de 1699. A estabilidade do exército Khalsa uniu a comunidade sikh contra vários ataques Mughals ao guruship.
Exército Khalsa
Em 1701, um exército com os Rajas da Montanha Sivalik e do exército mongol sob Wazir Khan atacou Anandpur e, após um recuo do Khalsa, foram derrotados pelo Khalsa na Batalha de Mukstar. 
Banda Singh Bahadur era um asceta que se converteu ao Sikhismo após uma reunião com Guru Gobind Singh em Nanded. Pouco tempo antes de sua morte, o Guru Gobind Singh ordenou-lhe para acabar com as regras dos persas no Punjab e deu-lhe uma carta, ordenando que todos os sikhs se juntassem a ele. 
Banda Singh Bahadur
Depois de dois anos de ganhar adeptos, Banda Singh Bahadur iniciou uma revolta agrária, tirando as grandes propriedades de famílias influentes e distribuiu as terras aos pobres Sikhs, hindus e camponeses muçulmanos que cultivavam a terra.  Banda Singh Bahadur começou sua rebelião com a derrota dos exércitos de Mughal em Samana e Sadhaura e a rebelião culminou na derrota do Sirhind. 
Durante a rebelião, Banda Singh Bahadur fez questão de destruir as cidades em que Mughals tinham sido cruéis com os sikhs, incluindo a execução de Wazir Khan, em vingança pela morte de filhos do guru Gobind Singh, Zorawar Baba Singh e Fateh Baba Singh após a vitória Sikh em Sirhind.  Ele governou o território entre o rio Sutlej e do rio Yamuna estabeleceu uma capital no Himalaia, a Lohgarh ,e bateu cunhagem em nome do Guru Nanak e Gobind Singh.

O Império Sikh
O Império Sikh (1801-1849) foi formado nas bases do Exército Punjabi por Maharaja Ranjit Singh. O império se estendia desde a passagem de Khyber no oeste, na Caxemira, ao norte, noSindh ao sul, e ao leste o Tibete. 
A principal marca geográfica do império era a região do Punjab. A demografia religiosa do Império Sikh era muçulmana (70%), sikhs (17%), hindus (13%). 
O Império Sikh começou com a dissolução do Exército Punjab na época da coroação de Ranjit Singh, em 1801, a criação de um Estado unificado político. Todos os líderes que estavam filiados ao Exército foram da nobreza com histórias de família geralmente longas e prestígio na história do Punjab. 
Após a morte de Maharaja Ranjit Singh, em 1839, o império foi severamente enfraquecido por divisões internas e má gestão política. Esta oportunidade foi utilizada pelo Império Britânico para lançar as guerras anglo-Sikh. Uma série de traições do Sikhs por alguns líderes proeminentes do exército levou à sua queda. Maharaja Gulab Singh e Raja Dhian Singh foram os principais generais do exército. 


O Império Sikh foi finalmente dissolvido, após uma série de guerras com os britânicos no final da Guerra Anglo-Sikh em 1849, em diferentes estados principescos e a província britânica do Punjab,  foram concedidos Estado. 


terça-feira, 25 de setembro de 2012

História Antiga do Punjab

Punjab durante Mahabharata (uma das mais antigas literaturas em sânscrito)  era conhecido como Panchanad.  A civilização védica se situava ao longo do rio Sarasvati que cobria a maior parte do norte da Índia, incluindo Punjab. Esta civilização moldou culturas subseqüentes no subcontinente indiano.

Punjab era parte dos grandes impérios antigos, incluindo o Gandhara, Mahajanapadas, Nandas, Mauryas, Sungas, Kushans, Guptas, Palas, Gurjara-Pratiharas e Shahis hindu. O marco  da exploração de Alexandre o Grande foi ao longo do rio Indus. A agricultura progrediu e cidades comerciais (como Jalandhar e Ludhiana) cresceram em riqueza.

Devido à sua localização, a região de Punjab, sofreu ataques constantes e influências a partir do oeste e leste. Punjab enfrentou invasões dos persas, gregos, citas, turcos e afegãos. Isso resultou num testemunho de derramamento de sangue amargo ao longos do seculos.

Seu legado é uma cultura única que combina hindu, budista, persa  / zoroastriana, da Ásia Central, islâmico, Afeganistão, sikhs e elementos britânicos. Por muitos anos Punjab foi dominado pela Pérsia (atual Irã).


Zafarnama datado em AD 1872 - original em escrita Persa. Acredita-se ser escrito por Tota Rajaram, um cortesão de Maharaja Ranjit Singh  

A cidade de Taxila, no Paquistão (seu nome deriva de Takṣa, que era o filho de Bharata, o irmão de Rama, e Mandavi) tinha a fama de abrigar a universidade mais antiga do mundo, Takshashila University, e um dos grandes professores foi o pensador védico e político Chanakya .

Taxila foi um grande centro de discussão e aprendizagem intelectual durante o Império Maurya. É um sítio do Patrimônio Mundial da ONU.

De particular importância foram os períodos de contato entre Punjab e vários impérios persas quando parte dele tornou-se integrado ao próprio império ou era uma região autônoma que pagava impostos para o rei persa. Nos séculos posteriores, a língua do governo Mughal era persa.  A arquitetura, poesia, arte e música persa eram parte integrante da cultura da região. A língua oficial do Punjab permaneceu Persa até a chegada dos britânicos em meados do século 19, onde foi finalmente abolida e a linguagem  foi alterada para urdu.


Zafarnama - Carta escrita em persa pelo Guru Gobind Singh para o imperador Aurangzeb