Café com Chai

Observações de uma brasileira sobre a cultura indiana.

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

E a minha adaptação como foi??

Ola!! Esses dias nao consegui escrever aqui, estou cheia de ideias mas me falta um pouco de tempo livre na internet.. Nao gosto de escrever pelo celular porque nao sei formatar o texto sem falar nos erros de digitaçao dificeis de resolver...mas como sou fiel ao blog aqui estou.

Eu sempre falei sobre a adaptaçao do meu marido no Brasil mas é óbvio que precisei me adaptar a muita coisa e enfrentei muitas diferenças culturais, até que tudo ficasse meio termo, pois no inicio as divergencias foram muitas tanto para mim quanto para ele. O meu marido precisou se adaptar a nossa cultura, mas e quanto a mim? Como  foi e como tem sido? Não foi fácil. Como dizem, o primeiro ano do casamento é o mais dificil, e para mim nao foi diferente porque é aí que vemos os hábitos de cada um e claro, os costumes.
 Depois de refletirmos muito o porquê de tantas divergências, chegamos a conclusão que viemos de mundos diferentes, não apenas países! Vou só listar alguns exemplos:
Enquanto na India ele come com a mão, aqui no Brasil uso garfo e faca.   
Enquanto ele coloca sal no suco, iogurte e frutas, eu coloco açúcar.
Na India é comum beber chá toda hora. No Brasil bebemos café.
Na India não se encosta na pessoa para cumprimentar, no Brasil apertamos a mão, abraçamos e muitas vezes até beijamos.
Na India um homem não enconsta na mulher, aqui no Brasil eles cumprimentam as mulheres com beijo no rosto;
Na India a maior parte da comida é natural, no Brasil a maior parte é artificial.
Na India o volante é do lado direito, no Brasil é esquerdo..
Esses foram só exemplos bobos! Observe que não falei nada sobre moral.

O que mais me adaptei? Sabe aquelas ligaçoes para os familiares e amigos no meio da noite devido o fuso horario? Nos primeiros meses passaram a fazer parte da minha vida, noites mal dormidas devido o uso do skype.
No inicio tive que me acostumar com as ligaçoes para a India, e quem faz ligaçoes para lá sabe que enquanto é dia na India, aqui é tarde da noite para nao dizer madrugada. Isso ja foi motivo de discussao porque eu queria dormir e ele queria matar a saudade da familia e amigos. No primeiro mês eu nem ligava, mas depois de meses eu passei a me incomodar. Graças a Deus hoje existe celular com todo tipo de aplicativo e skype virou coisa do passado.
No dia-a-dia vieram outras preocupações:

ROUPAS
ANTES: Tive que me adaptar ao jeito de um indiano punjabi conservador, nao queria que eu cortasse e nem colorisse os cabelos, nao queria que eu usasse roupas curtas e decotadas, nao mostrasse os ombros...uma vez ele falou que se pudesse queimaria todas as minhas roupas curtas que eu tinha no guarda-roupas. Nao queria que eu usasse salto alto, palpitava em todas as roupas antes de sair de casa, na hora de comprar sempre dava opiniao..no começo fui me adaptando até que naturalmente as coisas foram voltando ao normal.
HOJE: posso usar tudo o que tenho vontade como eu sempre usei antes e agora até pede para eu usar salto, aos poucos ele foi mudando sem eu forçar a barra, aconteceu naturalmente, até biquíni uso normalmente na praia, mas nunca na frente de outro indiano.
A única coisa que de fato precisei mudar foi a vestimenta no caso de recebermos algum indiano em casa: quando o marido vem com algum amigo já me manda uma mensagem no celular dizendo que teremos visita, assim coloco uma roupa mais comportada. Eu entendo isso, porque infelizmente se eu aparecer com blusinha ou vestidinho os amigos vão entender como uma provocação, como se eu estivesse com a intenção de seduzir. É assim que a maioria dos homens orientais pensam.

AMIGOS
No início ele se importava muito quando algum homem vinha me cumprimentar no rosto.
HOJE: ele entende que é costume de brasileiro e nao se importa tanto assim. Eu evito mas nem sempre dá para escapar pois as pessoas já nos cumprimentam assim naturalmente e nem dá tempo de dar um aperto de mão mas por ele nenhum homem me cumprimentaria no rosto até hoje.

FAMILIA
ANTES: ele tinha ciume da minha familia e nao aueria que eu tivesse contato com eles frequentemente, pois na cultura indiana a esposa passa a fazer parte da familia do marido, quando é uma família conservadora isso é imposto, entao para ele nao tinha porque eu falar com minha mae frequentemente. Sofri muito com isso pois eu morria de saudade da minha mae e nunca abri mao de minha familia, sempre bati de frente e disse que isso eu nao mudaria nunca.
HOJE: nunca cortamos o contato com minha família e agora ele entende o que é familia e povo brasileiro é muito mais família do que qualquer povo oriental. Brasileiro que diz que povo do oriente dá valor à família nunca passou por isso, porque no Brasil nem sonhamos com a hipótese da filha deixar de ter contato com os pais dela depois que casar. Essa história de que a esposa passa a fazer parte da família do marido e chamar a sogra de mamãe é muito bonita nos livros, filmes e "blogs" afora porque na prática não é tão bonito assim.

COMIDA
Deixei de comer carne vermelha frequentemente e nao como carne de porco de jeito nenhum, isso inclui salsicha, salame, presunto, mortadela, qualquer coisa que tenha bacon, feijoada...isso ja rendeu briga quando uma vez eu comi bacon...
Tem dias da semana que não comemos nenhum tipo de carne, nem ovos.
Existem os festivais religiosos que fazemos jejum ou nos abstemos de certos alimentos ou temperos..
Bebidas, eu ate tomo cerveja ou vinho mas nunca na frente de outros indianos.

Tive que me adaptar a varias coisas, e restrições. Hoje só posso dizer que ele mudou quando passou a viver no Brasil e só tenho minha liberdade porque ele usufruiu dessa experiência de viver aqui. Acredito que se ele nunca tivesse morado no Brasil nada teria mudado e eu teria que me adaptar 100% à cultura e costumes dele, pois como exigir atitudes da parte dele até então desconhecidas para ele?
Tem mulher que mora no Brasil e vive do jeito brasileiro, mas não passa pela cabeça que no momento que seu marido se juntar ao povo dele ou te levar para o país dele, não vai ser diferente de ninguém, vai seguir todos os costumes e tradições. Por exemplo, quando recebemos visita de algum indiano na nossa casa não bebo cerveja, não uso roupas decotadas, meu marido não demonstra muito afeto, porque está na frente de um indiano, é automático. Quem se relaciona com pessoas de países conservadores e não espera mudar nada é louca, porque uma hora ou outra a cultura vai te pegar.
E olha que nao tem nada a ver com religião! O sikhismo, por exemplo, é uma religião digamos, moderna, que reconhece a igualdade do homem e da mulher, Deus como único criador do Universo, não é a favor de jejum (mulheres sikhs não fazem jejum para o marido como as mulheres hindus), e nem tem restrições alimentares como no islamismo, hinduísmo e cristianismo, por exemplo. A diferença mesmo é cultural, pois meu marido é sikh indiano, então os costumes irão com ele onde ele for independente da religião dele. Gosto de ressaltar isso porque vejo pessoas em relacionamentos interculturais e justificam tudo devido a religião da pessoa, mas não enxergam que a maior das barreiras é a cultural e não a religiosa. 
 Está em relacionamento intercultural? Dê atenção aos costumes, pois eles farão parte de cada segundo da sua vida, você querendo ou não.







segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Só vim dizer OI!!!!

Ola!! Nao parei com o blog nao! Estou aqui, cheia de inspiraçao e vontade de escrever, mas agora o tempo em casa é mais curto entao nao consigo acessar a internet com tanta frequencia. Não deixei de responder e-mails, so peço um pouco de paciencia e com certeza novos posts virão( estou devendo alguns tambem).

De resto, sem novidades, o Diwali foi semana passada, marido e eu nao tivemos ninguem para comemorar o Diwali junto com a gente porque no Brasil nao tem esse festival, e na pequena comunidade indiana existente aqui quem ganhou convite foi a nobreza enquanto a plebe desembolsou  R$150,00 por pessoa, para  curtir uma festa mais caprichada.  Essa é a realidade.

Mesmo nao postando voces podem me acompanhar no instagram Star Kaur.

Desejo uma boa semana a todos!!

Beijos!


sábado, 11 de outubro de 2014

Dia de Jejum - Happy Karwa Chauth!

Hoje é um dia muito especial para as mulheres casadas que seguem a cultura indiana. Hoje as mulheres celebram o Karwa Chauth, que é o jejum para o marido, para ele ter vida longa e saúde. Já falei sobre isso anteriormente, mas não gostaria de deixar passar em branco aqui no blog.

Ano passado foi muito difícil manter jejum de comida e água até a lua aparecer, eu me senti um pouco sozinha, o marido ficou o dia todo fora no trabalho e eu não tinha com quem conversar, me distrair, pois aqui no Brasil não conheço ninguém que celebra esse festival. Na Índia, as mulheres jejuam juntas, passam o tempo conversando, fazem mehendi um dia antes, ou seja, várias coisas para se distraírem e não sentirem cansaço, fraqueza, tontura.

Mas esse ano estou me sentindo bem mais forte, além de contar com a ajuda do instagram..hehe..posso conversar com minhas amigas ocidentais virtuais que também jejuam, trocamos experiências e assim uma vai incentivando a outra. Para nós que não somos indianas, o Karwa Chauth é algo diferente, e fica complicado celebrar sozinha.

 As mulheres celebram vestindo roupas típicas indianas como se fossem para uma grande festa de casamento, muitas delas se vestem como noivas com seus sarees vermelhos e joias.

Ainda estou em jejum, imagino que deva ter alguma brasileira jejuando também..hey, não se sinta só!

Esse ano o jejum está mais fácil, mas que a lua está demorando para aparecer, ahh isso está!!rs

Happy Karwa Chauth!






Abraços!!!

fotos: http://www.hindustantimes.com/photos-news/photos-india/karvachauth/Article4-954042.aspx

Love Jihad coloca India em alerta

Até onde isso faz sentido eu não sei, ou pode ser somente mais uma dessas disputas religiosas na India, nao estou dando nenhuma opinião e nao quero que ninguem aqui se sinta ofendido, apenas repasso o que anda acontecendo pelas bandas de lá: conservadores hindus alertam mulheres a nao se relacionarem com rapazes muçulmanos pois por amor elas mudam a religiao ou sao forçadas a isso, se casam e tem filhos que automaticamente terao a religiao do pai aumentando assim o número de seguidores.
Mais uma vez os homens coagem as mulheres na escolha do proprio parceiro, se nao é por questao de casta, é por religiao..


http://en.m.wikipedia.org/wiki/Love_Jihad

sábado, 4 de outubro de 2014

Dicas para relacionamentos virtuais

Como ter sucesso em relacionamento virtual? Nao é nenhuma apostila nao, mas ajuda.
Saiba filtrar a pessoa de acordo com esses detalhes:

Nao envie dinheiro: as desculpas para voce mandar dinheiro sao muitas, ou porque a mae esta doente, ou o pai morreu e precisa de dinheiro para o funeral, ou a irma vai casar e nao tem dinheiro para a festa nem dote, ou a pessoa esta para perder a casa, perdeu emprego, salario atrasou e tem dividas, precisa pagar tratamento medico para alguem etc...ja ouvi tudo isso de mulheres que me escrevem e-mails, mas quando falo que é mentira elas ficam com raiva de mim. Eu só queria saber de um caso que fosse verdade, gostaria que alguem viesse me mostrar que eu estava errada.

Nao envie fotos sensuais: o rapaz vai mandar para todos os amigos e pode usar para te chantagear no futuro;

Nao tenha assuntos picantes: ele tambem pode salvar tudo e te chantagear depois alem de ser um sinal bem claro de que ele nao quer nada serio com voce. Homem serio nao começa com aquele papo "you are hot". Para mim isso é um insulto, mas tem mulher que gosta...só nao espere nada serio de quem começa uma conversa assim.

Nao fique adicionando os amigos dele(a) e nem fique de conversa com os amigos do seu parceiro. Isso so vai gerar desconfiança e mal-entendidos.

Nao apresente ele para "aquela sua amiga". Isso nunca da certo. Nao conte detalhes do seu relacionamento. Nao peça para nenhuma amiga adicionar seu namorado, nem se voces brigarem e tu acha que ela vai ajudar a apaziguar...ate hoje so vi isso dar errado. Deixe para apresenta-los pessoalmente, mas deixar os dois de conversinha na internet? Acorda, né amiga!!!!

Eu só falo baseado em minha experiência que tive ao longo de 3 anos de relacionamento virtual( que hoje é o meu marido) e de acordo com as pessoas que conheço e hoje estao casadas e aquelas que nao deram certo. Tanto no meu caso como das pessoas que o relacionamento saiu do virtual e foi para o real nenhuma das situaçoes acima ocorreram. Porém em todos os casos que conheci e nao deram certo, essas coisas aconteceram.

Por enquanto é isso! Bom fim de semana a todos!

Abraços



sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Onde está a comunidade indiana? Desabafo

Ontem meu marido e eu celebramos o navratri (um grande festival que ocorre agora na India antes do Diwali) e foi em casa mesmo, como deveria ser em um templo sikh.

Por nove dias comemos comida vegetariana sem alho e sem cebola. Até um salgadinho que tivesse cebola estava fora do cardapio.

Depois na ultima noite do jejum so comemos após o por-do-sol. Uma comida especial, sempre servida nos templos, e deliciosa como grao-de-bico, um doce chamado kada prashad e puri(que parece um pastel de vento). Comemos no chão e sem talheres. Fizemos a comida descalços e com os cabelos cobertos por respeito e humildade.
Antes de nos servirmos, oferecemos a comida para  deusa Durga, e só depois comemos.

Por que coloquei aquele titulo?
Porque infelizmente o que deveria ser motivo de uniao da comunidade indiana no Brasil nao passa de uma panelinha onde só as pessoas abonadas e bem sucedidas celebram juntas. Se torna praticamente impossivel ser convidado para alguma celebraçao, eu mandei e-mails e nunca enviam o calendario, a ultima vez que participei foi somente porque um amigo do meu marido que tem influencia foi convidado e nos convidou. Outro dia so comparecemos porque uma conhecida minha tambem me convidou. E só assim funciona. Ja mandei e-mails, ja escrevi o e-mail no livro, telefone...e ate agora nao recebi nenhuma resposta e olha que ja se passaram 3 anos!!!

A minha intençao foi fazer com que meu marido nao se sentisse longe da cultura e religiao, pudesse interagir com outros indianos. Mas nao aconteceu do jeito que esperei. No primeiro dia tive a ilusao de que tudo era muito bonito, fiz ate um post sobre isso, independente de alguns detalhes fiquei muito feliz ao ver meu marido participar de um langar no Brasil, conversar e fazer amizade com outros indianos, mas depois de 3 anos minha opiniao mudou:

A primeira vez que fomos, só vi indianos empresarios e brasileiras que gostam de ostentar, mostrar que já viajaram ou moraram na India, que sao isso, sao aquilo.... As brasileiras só perguntam se a gente ja morou na India, há quanto tempo voce é casada...quando você fala que ainda não foi para a India..nossaaa passa um caminhão na cara dela, quero dizer, a cara da pessoa muda da água para o vinho, ela corta até a amizade! ( tudo isso para sondar a sua vida e seu casamento pois todo brasileiro sabe que brasileiros (desculpe a redundância) nao gostam de perguntas pessoais quando não existe intimidade com a pessoa) e sem a gente perguntar nada a pessoa ja fala o que faz da vida, tinha uma que falou logo que era jornalista sem eu perguntar nada, eu quase perguntei se ela queria me entrevistar kkkkkk só poderia ser isso né!! Ignorei essas coisas e me concentrei na ideia de interagir com as pessoas e me aprofundar nos conhecimentos da cultura indiana. Incrivel que nesse ponto as mulheres indianas foram super educadas e simpaticas, diferente das brasileiras presentes.

Me trataram bem, muito bem graças a Deus, mas as pessoas nao deixavam de perguntar ao meu marido o que ele fazia e as conversas so andavam em torno disso, como veio para o Brasil, se sou brasileira ou indiana, o que e com o que ele trabalha. Quando sabiam que meu marido nao era dono de nada ficavam com cara de paisagem. Só vi naquele lugar chefes, donos de lojas e restaurantes indianos, que já vivem aqui há mais de 10 anos e tem uma conta bancária gorda, mas não vi nenhum empregado, trabalhador subordinado. Sao sempre os mesmos rostos que comparecem, voce nao ve nenhum indiano recém-chegado, acolhido. Perguntei ao marido onde estavam os amigos dele e ele disse que eles nao participam desses encontros por esses motivos, alem de só os chefes deles serem convidados formalmente, é claro!!

A panela no centro cultural indiano já está formada. A ideia de comunidade indiana é uma mentira. Nem preciso dizer que muitos brasileiros que ajudam a organizar tambem sao responsaveis por essa segregaçao. Só voce dar uma olhada na grossura do livro que fica na entrada de pessoas pedindo contato e só ver o pequeno grupo de empresarios que comparece nos encontros. Nem meu marido que é indiano e sikh nao recebeu ate hoje nenhuma ligaçao ou convite desse centro cultural. Eu lembro que perguntei a uma senhorinha brasileira que estava la como ela havia sido convidada, e ela disse "pelo e-mail, só voce colocar la no livro "Estranho, nao?? E olha que já mandei e-mail até para o responsavel da mala direta e nunca fomos convidados da mesma forma que os empresarios da panela são!

Dessa vez em casa senti muito mais a presença de Deus, sem comparaçoes, sem me preocupar com o quanto tenho no bolso, só nós e Deus.


quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Comentários desnecessários

Uma das coisas que me deixa constrangida é o fato de algumas pessoas fazerem comentarios ao meu marido nada a ver com o momento. Nao me refiro ao blog, digo na vida real mesmo e vou explicar:
Ja é a quarta vez ( que me lembro) que uma pessoa vira para meu marido e começa a falar do país dele com sentimento de pena, isso em 5 minutos de conversa, e nem preciso dizer que sao pessoas que nunca vimos antes, nao tem a menor intimidade.  Uma vez um rapaz viu que ele era indiano e começou a conversar ate que de repente falou "a India é muito pobre, né! Vi que crianças passam fome, muito sofridas". Gente, isso todo mundo sabe, e ele que é indiano sabe mais do que a gente. O que ele poderia dizer? Meu marido so respondeu que é igual aqui no Brasil ou como em qualquer lugar do mundo, que tem gente rica e gente pobre.

Depois outro dia um rapaz tambem começou a conversar com a gente quando viu que ele era indiano e em 2 minutos de conversa falou "ahh eles tem um jeito meio porco de comer com as maos" .
Santa ignorância! Ninguem come igual bicho não! Sabe, certas opinioes nao me interessam, como essa.

Outra vez foi um louco criticando o hinduísmo "ahh esse povo fica adorando varios deuses, com cabeça de elefante, fica adorando a vaca.." Eu respondi "estude a mitologia hindu primeiro, e fé nao se discute".

A ultima foi ontem, um casal perguntou ao meu marido se ele era indiano, porque eles ja haviam visitado o Rajastao. Meu marido nem disse uma palavra, só disse "sim!!" E o homem falou que o Rajastao era liiindo e tal..e logo em seguida: ahh o problema é a pobreza! Muuuita probreza! Como pode um país tao rico ...mas tem muita pobreza..., ok tchau fiquei muito feliz em te conhecer!".
Eu digo que ele ficou mesmo feliz mas soltou novamente o comentario da pobreza. Foi um monólogo! Meu marido nao teve tempo de dizer nenhuma palavra mas vi que ele ficou uns 5 minutos pensativo e desanimado. Sabe por que? Porque dói toda vez um comentario desnecessário. Poxa, é o país dele! Assim como nao gostamos de ouvir que Brasil é o país do carnaval, futebol e biquini. Nao deixa de ser verdade, mas isso chateia porque sabemos que nosso país é muito mais que isso. A India tambem é muito mais do que esses comentarios. A India é o lugar que ele nasceu, cresceu, aprendeu sobre a vida, religiao, o país dos antepassados dele, a terra que ele plantou, o suor do trabalho dele, era lá que ele sonhava com uma vida melhor, foi na India a primeira paixão, foi na India que ele acendeu a chama para o pai, esse país tem as lágrimas e os sorrisos dele desde o nascer até se tornar homem feito. A India nao é aquilo que passa na tv. A India é a historia dele.



Desculpem alguns erros e falta de acentuaçao pois escrevi pelo celular e nao sou muito boa em formatar textos aqui!
Abraços