Café com Chai

Observações de uma brasileira sobre a cultura indiana.

sábado, 11 de janeiro de 2014

Índia para mulheres

Índia para mulheres
Publicado; 14/11/2013 | Autor: deborazampier

Ia fazer esse post quando estivesse de saída, com a certeza de que tudo correu bem. Mas considerando a quantidade de meninas angustiadas me perguntado sobre o assunto, resolvi adiantar para ajudar no que der.

Quando vim para a Índia, estava tão alarmada com as notícias ruins envolvendo mulheres que até esqueci de ligar o filtro do bom senso para hard news. Porque né, nós jornalistas sabemos mais que ninguém como desgraça vende jornal e como nada é tão ruim quanto parece.

Resumindo, é claro que as mulheres vivem em situação de risco aqui. Mas, na minha opinião, essas violações acabam ganhando ainda mais repercussão porque, diferentemente do Brasil, a Índia não é um país violento. Aqui as pessoas não andam com medo de assalto, sequestro, assassinato. As pessoas não levam tiro à toa na rua. Por isso, acho que estupro aqui choca muito mais que estupro no Brasil. Aliás, estupro no Brasil nem é notícia mais (só se for seguido de morte, e olhe lá).

Pelo que estou percebendo, a situação das estrangeiras é até light: o tranco mesmo é com as mulheres indianas. Ao mesmo tempo que são cobradas como as filhas/irmãs/mulheres perfeitas, com dedicação intensa às famílias, também precisam enfrentar as agruras do mundo moderno. E ainda hoje são preteridas pelos homens da casa, que são o “investimento”, enquanto criar uma mulher é ”regar o jardim do vizinho”, como bem pontuou a jornalista Florência Costa no livro Os Indianos. Detalhe: elas também são assediadas, como muitas já me disseram, só que acabam ficando quietas por vergonha ou para não piorar a situação.

Meu look bisonho na Feira de Camelos de Pushkar, mas o importante é que funciona (tentei sem a echarpe no rosto, só com os óculos e o boné, e automaticamente quatro homens juntaram em volta).

Quanto a nós, estrangeiras, primeiramente temos que entender que os indianos adoram turistas, homens e mulheres. Então o principal assédio, na maioria das vezes, varia entre a simples curiosidade e o interesse de vender alguma coisa. Já o assédio mal intencionado pode ser minimizado com alguns cuidados simples, especialmente para quem está sozinha. Pelo menos comigo tem funcionado bem.

1)   Você já é visada por vir de fora, mulher ou não, então seu principal objetivo é reduzir o foco de atenção. Use roupas de cores neutras, que deixem o corpo disforme e que não mostrem a pele. Preferencialmente, arremate com boné (com cabelo em coque para dentro), óculos de sol (para não repararem para onde você está olhando) e echarpe.

2)   Em geral, a melhor forma de usar a echarpe é cobrindo o busto. Mas quando o lugar é mais complicado ou se já escureceu, uma ótima solução é cobrir o rosto todo, tipo uma balaclava. Fique tranquila, você não vai ser um ET, embora fique parecido com um – muitos se vestem assim para evitar inalação de poeira. E a invisibilidade é mágica e instantânea (também é o melhor remédio quando você não quer ser incomodada como turista).

3)   Embora seja muito injusta com a grande maioria dos indianos de bem, criei uma regra prática: papo com desconhecidos só com famílias, casais, mulheres e crianças. Se precisar de informações e não encontrar ninguém desse grupo, vá até as autoridades e funcionários públicos, e em última instância, vendedores de estabelecimentos mais respeitados.

4)   Procure sempre estar perto de pessoas do grupo acima, seja na rua, no trem ou no ônibus (vale pedir para o cobrador te vender uma passagem mais perto do motorista). Evite desbravar sozinha lugares ermos ou de evidente predominância masculina.

5)   Se algum homem insistir em se aproximar emparelhando na rua, como muitos fazem, finja que não entende a língua e saia andando. Se for muito insistente, especialmente para fotos, apele para a aliança falsa: diga que não pode porque é casada, funciona na maioria das vezes. Se não der certo, ande em direção a um grupo ou a uma loja e erga o tom de voz. Em geral, esses caras são covardes e saem de fininho.

6) Faça reserva nos albergues/hoteis com antecedência de pelo menos uma cidade, e contrate o serviço que a maioria oferece de buscar no aeroporto ou nas estações de trem ou de ônibus (principalmente se estiver chegando à noite).

7)   Mesmo que fique pouco tempo, considere fortemente a ideia de comprar um chip indiano com pacote de dados, que te dará acesso móvel ao abençoado Google Maps. A tranquilidade de saber o caminho certo sem precisar perguntar nem confiar totalmente nos taxistas vale infinitamente mais que R$ 32. Ah, e embora os vendedores digam que pode levar 48 horas para o chip funcionar, o meu pré-pago, da Vodafone, foi acionado minutos depois da compra, tudo bem rápido e prático. Só precisa levar cópia do passaporte, do visto e uma foto.

8) Ainda sobre mapas: estude todos os lugares e caminhos por onde você pretende passar antes de sair do hotel. Andar na rua com cara de perdida e com o mapa/guia aberto é uma ótima deixa para ser abordada por pessoas indesejadas.

9) Eles vão perguntar sempre (muitas vezes só por curiosidade mesmo), mas nunca diga a um estranho que está sozinha. Falar que seu marido/amigos estão te esperando no hotel é uma boa saída.

10)   Você já não anda sozinha à noite no Brasil, certo? Aqui, o mesmo. Simples assim.


http://mundolandia.com/category/india/page/2/

6 comentários:

  1. Star minha querida que Deus sempre te de sabedoria você é uma pessoa riquíssima de sabedoria
    esta me ajudando muito sempre leio seu blog novidades são ótimas
    quando eu for visitar minha futura família na Índia já quero estar por dentro de tudo. BEIJOSSSSSSS <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada minha querida!! Que Deus te abençoe, fico feliz ao ter sua presença no blog!!
      Beijos!!

      Excluir
  2. Seria bom ver uma foto de uma pessoa "fantasiada" como você descreveu. Muito bom o seu texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seria bom mesmo!! Eu só não coloquei porque eu precisaria da autorização da pessoa..a foto é interessante
      Obrigada!

      Excluir
  3. Post super interessante, Star!(Como sempre!)Como eu sempre digo, eu nunca enfrentei nenhum problema aqui na India, nem no Uttar Pradesh e, muito menos aqui em Mumbai por ser estrangeira. Mas, acho que se deve ao fato de ninguem aqui desconfiar que sou estrangeira. Acredito que em Mumbai a coisa eh mais tranquila, em meados de 2013 tambem tivemos um caso de estupro no centro da cidade. Porem, o caso foi meio estranho e ate hoje muita gente nao engoliu a estoria. Ja em Delhi, cidade fascinante, nao sei qual eh o problema,se eh jogada politica ou o que, mas realmente, pelo menos uma vez a cada semana voce le ou ouve alguma noticia como as do link abaixo:
    http://www.hindustantimes.com/india-news/shelitaflame/india-shamed-again-danish-woman-gangraped-in-delhi/article1-1172980.aspx?hts0021
    E, ao que tudo indica, a carne branca eh a mais apreciada mesmo.
    Um abraco e tudo de bom!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Juliana! Vi a notícia do link e até agora não entendo eles não perdoam nem senhoras. Infelizmente a carne branca é mais apreciada, meu marido fala que eles são loucos por estrangeiras, por exemplo, a mesma atração que as brasileiras tem por homens indianos e árabes por serem mais morenos, sexy..os indianos tem essa atração por mulheres estrangeiras afinal tudo o que é diferente causa uma certa atração.

      O problema é que a maioria desses homens não respeitam nem as indianas, imagine uma estrangeira..falta educação sexual, uma consciência do que é viver em sociedade e aprender a lidar com o sexo oposto..mas tudo é tabu...esses homens ficam com os hormônios à flor da pele e só enxergam as mulheres como um objeto, não sabem nada do universo feminino.

      Para mim isso é resultado da supervalorização do sexo masculino e como eles são a maioria, se sentem no poder. É aquela velha história, para você conhecer um ser humano basta dar poder a ele.

      Beijos!!!

      Excluir