Café com Chai

Observações de uma brasileira sobre a cultura indiana.

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Comentário no blog

Eu li um comentário no post "Amor Indiano" que não merece ficar escondido e nos ajuda a entender muitas coisas, afinal, nada melhor do que relatos de quem já teve ou tem um amor indiano virtual. Cada pessoa tem uma experiência e assim como divido a minha, gosto quando alguém opina e divide a experiência dela. 
(Me desculpem se eu ainda não respondi algum comentário, como são muitos e muitas histórias, acabei não dando conta, mas responderei um a um com carinho). Beijos 
Foto do google


  1. Abstrakter Sei que meu comentário vai ser um grande balde de água fria pra muita gente mas é que eu não consigo mais ler essas histórias sem deixar de ponderar algumas questões. Meninas, tomem MUITO, mas MUITO CUIDADO com esses caras. Eu tenho lido milhares de comentários em blogs de mulheres que estão se apaixonando perdidamente por eles num estalar de dedos, muitas inclusive até sem tê-los visto, acreditando pura e simplesmente nas palavras deles. E mesmo assim, ver o cara e a família dele não garante nada. A única coisa que eu vos peço encarecidamente é: prestem muita atenção se o que vocês estão sentindo não é só um momento de carência, solidão, coisa que qualquer ser humano tá passível de ter. Saibamos separar as coisas. Isso não tem nada a ver com amor!! Antes de amarmos qualquer pessoa temos que fazer um trabalho de auto-análise pra vermos se estamos em dia com nós mesmas. É um trabalho penoso, dói construir e manter o amor próprio, mas só assim é que vamos estar mais seguras pra gostar de alguém. Vocês já sabem como são os homens, quando não tão pensando merda estão fazendo merda, não interessa o lugar onde nasceram. A diferença de um pro outro tá basicamente na capacidade de manipulação, coisa que a maioria dos indianos, paquistaneses etc. faz com maestria. Sei que muitas vão achar ruim por eu falar isso e vão persistir acreditando na exceção, que nada mais é do que crer no mito do príncipe encantado. Gente, é duro, mas infelizmente exceções nunca fizeram a regra. Eu mesma já tive uma paixão platônica por um paquistanês há uns oitos anos atrás (eu tinha uns 19 anos) e sofri que nem uma condenada. A princípio tentei resistir em não gostar dele, não acreditava em amores de internet, mas o sentimento acabou em debandada. Ele não me pedia dinheiro nem sexo, mas é que era divertido brincar comigo enquanto a “prometida” não vinha, se é que ela já não existia. Quando não querem sexo ou dinheiro tu vai cair na categoria do “brinquedinho”, porque pra homem é divertido brincar com mulheres.
    ResponderExcluir
  2. 13 de maio de 2015 10:04
  3. [continuando...]

    Eles sabem ser encantadores. Sabem falar exatamente tudo aquilo que você gostaria de ouvir e não ouviria de um brasileiro. O feitiço deles é justamente esse. E o perfil das “vítimas” costuma ser bem variado, indo de mulheres novas e inocentes às calejadas, das que não estão felizes no relacionamento ou não estão bem emocionalmente, das que se sentem sozinhas etc. Você acaba se rendendo aos encantos do sujeito sem perceber.
    Uns dois meses atrás conheci um indiano por um chat, uma gracinha, tanto de atitude quanto de aparência, daqueles que adora dar uma de perfeitinho, ser o “impressionável”, super amável. Estávamos conversando com certa frequência pelo skype e quase que diariamente no whatsapp, nem que fosse só um “bom dia”. Agora nosso contato ta mais reduzido, tenho preferido não dar muita confiança, não responder a alguns “bonsdias” dele, portanto o leve encanto que eu senti por ele já ta se dissipando rsrs. A única coisa que temos é amizade e isso foi deixado bem claro um pro outro. Vez ou outra ainda escapa uns flertes, mas é coisa pra ser levada na brincadeira, nada além disso. Se ele é bem intencionado, eu não sei, não meto a minha mão no fogo nem morta. Meu encantamento pelas pessoas e pelas coisas em geral pode até existir, mas sempre disputará espaço com a minha desconfiança, que não é nada baixa. Sempre. É um bocado difícil me convencer. Eu preciso de consistência em tudo o que eu me envolvo, me sinto muito desconfortável quando me pego “sonhando demais”, ainda que a sensação seja boa. Posso até ter perdido algumas boas oportunidades na vida por ser assim, mas ta no sangue, não tem jeito. Não me sinto bem de outra forma. Pra quem acredita em astrologia, o virgem ascendente em escorpião grita alto em mim rsrs, mas isso não vem ao caso.
    Portanto, meninas, prestem muita atenção no buraco sem fundo que vocês podem se meter. O mundo tem seu lado belo, mas também tem seu lado obscuro e lidar com ele nunca foi fácil. É bom tomar conhecimento de casos que deram certo, mas não deixemos de ouvir todos os alertas de quem já viveu experiências profundamente traumáticas com isso e esse é o caso da maioria, infelizmente. Sejamos realistas. Ainda que existam chances de um relacionamento desses dar certo, lembremos que elas são ínfimas. Os caras não têm hábito de namorar antes de casar, a maioria esmagadora vai acabar se casando com alguém de dentro da cultura deles e nós já sabemos qual é a visão deles a respeito da mulher ocidental. Logo, quais são as chances de estarem brincando com a nossa cara? Gigantescas. Conversem e tudo mais, mas com distanciamento emocional sempre que possível. Não confiem cegamente, por favor. Também devemos lembrar que se já é difícil a gente aguentar e lutar contra o machismo dos homens da nossa cultura, imagine a dificuldade de ter que se adaptar do zero ao machismo de uma cultura totalmente diferente da nossa. Quando digo “adaptar” não é no sentido de aceitar, mas de se ver na impotência de lutar contra isso, porque se aqui você já desenvolveu suas artimanhas pra escapar dos machismos diários, lá você terá que desenvolver outras. É muito bonita a ideia de que “o amor não vê fronteiras”, mas na prática a história é outra. A grande maioria está apenas se divertindo conosco, sim. A grande maioria vai querer apenas o teu corpo sim, mesmo que isso demore pra ser demonstrado. A manipulação psicológica existe pra isso, pra dominar sem que nos demos conta disso. Sim, isso é duro, mas temos que acreditar mais em nós mesmas antes de acreditarmos nas pessoas. 
    ResponderExcluir
  4. [última parte]

    Não acreditem meramente em palavras e em atitudes que não provam nada; aquelas atitudes que a princípio parecem concretas, mas acabam dando vazão pro cara ser irresponsável. Enxerguem além das aparências sempre e sempre. Desconfie de pedidos invasivos. Desconfie se o cara for reservado demais e não falar muito sobre a vida e querer saber demais da sua. Não precisa demonstrar que está desconfiada, seja estratégica. Vai dando corda dum jeito que ele sinta confiança e te conte as coisas, sempre mencionando que ele já sabe o bastante de você e que “agora é a vez dele”. Pressão de vez em quando também não faz mal a ninguém. Por vezes temos medo de “pressionar demais” o cara e ele acabar fugindo, mas eu penso que se fugiu é porque tem algo a esconder e aí o tal “amor” não era o bastante... Eles se sentem naturalmente no direito de nos pressionar em tudo, mas escapam a qualquer mínimo de pressão que nós fazemos... Também não deixe que eles tomem lugar prioritário em vossas vidas. É bom lembrar das pessoas próximas que sentimos segurança pra amar, das nossas diversas ocupações diárias. Eles que venham depois rs. Não é egoísmo, é aprender a tomar as rédeas da própria vida. Se não pensamos por nós ninguém mais vai pensar.
    Já me apaixonei algumas vezes pela internet, inclusive tive um relacionamento à distância por quase cinco anos, eu em BH e ele no Rio. Nos víamos com a frequência inferior à que gostaríamos na época, mas era o que tinha para o momento. Foi difícil, muita cobrança e eu não tava feliz com isso, mas teve lá seus momentos bons. Enfim, pude aprender um pouco com o meu passado e tento aplicar ao presente, por mais que eu reconheça que ainda posso vir a repetir alguns erros...
    Bom, por fim, peço desculpas ao texto gigantesco que escrevi. Star, obrigada pela dedicação que tem prestado ao seu blog, que descobri por acaso buscando informações no Google sobre indianos rsrs. As informações são muito valiosas e logo se vê que você que você escreve as coisas com amor e boa vontade. Tenho muito interesse nesses assuntos. Vou continuar te acompanhando e qualquer dia desses entro em contato convosco via e-mail :)

    Pessoas, pode até ser clichê, mas é algo que pude constatar como verdade. O jardim das delícias ta é dentro da gente. Isso significa que, uma vez cultivado, ele se desenvolverá de dentro pra fora. Lá é o único lugar do universo que existe paz de verdade. Cuidem com carinho do interior de vocês, sempre e sempre.

    Muita paz e discernimento pra todas nós <3
    Beijo grande! "

Abraços!!

10 comentários:

  1. Star, fico feliz por ter gostado do comentário e agradeço por ter postado. O nome que uso agora é diferente desse, já que esse é meio feinho, conforme comentei na postagem original rsrs.
    Enfim, sabemos que cada experiência é diferente nessa vida, mas acreditar pura e simplesmente nisso é se cegar pras experiências de outras pessoas que já tiveram em situação parecida.
    Beijos de luz! Continuarei por aqui sempre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei muito do seu comentário!! Obrigada mesmo! Acredito que suas palavras deram luz a muita gente. Senti muita sinceridade e você falou sem atacar, é muito difícil alcançar essa imparcialidade que você alcançou.
      Eu atualizei o nome para esse atual, concordo que esse nome está muito melhor! rs
      Continue por aqui, é um prazer contar com sua presença!
      Beijos

      Excluir
  2. Putz verdade pura! Acho que nenhuma de nós é tão ingenua, nós só não queremos ver. Todos os dias eu me pergunto se é sincero, se vai dar em algo, apesar das doces palavras... e devo deixar claro que o meu "príncipe " não é fofo todo o tempo, a gente briga bastante hahaha
    Bom nesse caso é apostar ou não, no momento eu estou apostando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim Aline, eu também já passei por isso e foi uma aflição imensurável pois tinha gente que dizia que não ia dar em nada e tinha gente que nunca me fez desistir. Eu não desisti porque do jeito que eu estava envolvida não conseguiria deixar de insistir. Só acho que tem mulheres que se deixam levar sem nunca ter visto a pessoa na câmera, ou acredita em perfis fakes, essas sim devem ter cuidado.
      beijos

      Excluir
    2. No seu caso fez muito bem né ;)
      Sim precisamos ser cautelosas ao máximo e buscar o maximo de informação possível.

      Obrigada pelo blog, ajuda pra caramba!

      Bjinhos

      Excluir
  3. Abstrakter, se eu pudesse te abraçaria bem apertado!!! Veja bem...Seus comentários foram cem por cento pertinentes. Às vezes tentamos ajudar mulheres que pedem conselhos sobre indianos e tentamos mostrar o lado positivo e o negativo sobre esse tipo de relacionamento. O problema é que quando mostramos o lado negativo, elas dizem que é inveja, que não sabemos de nada, etc e tal. Tenho um relacionamento não virtual com um indiano. Não o conheci na Internet.Não converso pela Internet. Somos namorados assumidos inclusive para a família dele e estamos prestes a decidir nosso futuro. Ele não é o primeiro indiano com quem me relaciono. Já tive affairs virtuais com indianos e um deles se tornou real. Já passei um tempo na India. Lá passei, com a ajuda de uma amiga brasileira, a entender melhor o comportamento deles e puder ver como as coisas realmente funcionam na prática. Vc tá super certa. Gostaria que as meninas enganadas pudessem enxergar dessa maneira. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, moça. Abraço recebido e retribuído =)
      Fico feliz que seu relacionamento esteja com tudo pra caminhar bem. Desejo de verdade que isso aconteça. Bem, eu não nego que fiz meu comentário com base no que eu vivi e no que eu já vi de outras pessoas aqui na internet e nada me impede de fazer um julgamento que não seja justo, estereotipado. Por exemplo, não tenho a mesma vivência que você nem a Star, e é por isso que é importante unir todas as peças possíveis pra montar um panorama mais justo da realidade. As trocas de experiências estão aí para isso!
      Um grande abraço e felicidades!

      Excluir
  4. Olá, Star!
    Passei para parabenizar o post e também à Abstrakter pelos conselhos. Enfim, Star, eu terminei com Ibrahim, o rapaz que eu estava namorando. Não estava mais dando certo.... Ele muito ocupado e eu também, minhas desconfianças, apesar de ele não ter motivos pra eu ficar assim. Porém, na minha opinião, temos que conviver com a pessoa para saber se realmente ela é do jeito que era antes, no namoro. Ficar triste, fiquei. O que me deixou mais orgulhosa nele foi a sinceridade e a compreensão por ter entendido a minha decisão. Não houve xingamentos ou discussões. Mas, não vou deixar de seguir o seu blog. Você brilha sempre, Star! Beijos!!

    ResponderExcluir
  5. Adorei o texto,
    Obrigado por esclarecer várias coisas que nós que nos relacionamos com indianos sabemos, mas não conseguimos expressar. Tudo que foi descrito é a mais pura verdade e eu mesma passei por um ou dois 'moços' assim antes de encontrar a pessoa com quem estou.

    Nem sempre é só sexo ou dinheiro, mas é necessário lembrar o quanto indianos e affins são carentes, portanto procuram uma espécie de apoio emocional enquanto não casam.

    É tudo muito colorido e lindo, mas por trás de tanta cor o lado obscuro também se faz presente; Mesmo quando o rapaz tem a melhor das intenções ainda será difícil.

    Digo isso porque vivo, e olha que o meu 'Raj' é quase um americano com família de pais separados... E vai por mim, continua sendo beeem difícil.

    Beijos a moça que escreveu o texto e a Star por estar sempre nos amparando sem deixar de lançar as verdades.

    ResponderExcluir
  6. Adorei o blog , conheci hoje e quero ler muito mais .
    Tambem tive um relacionamento pela internet , mas com um bangladesh , mulcumano. Hoje estamos casados a 5 anos . Nos amamos , mas nao foi facil e ate' hoje nao e' . Um dia conto minha experiencia !! beijo meninas.

    ResponderExcluir