Café com Chai

Observações de uma brasileira sobre a cultura indiana.

sábado, 21 de março de 2015

Português

A coisa mais importante para um estrangeiro sem dúvidas é aprender o idioma local. No nosso caso não foi diferente pois a maior dificuldade que meu marido ainda tem no Brasil é o idioma. 

Me lembro de quando a gente namorava pela internet eu ensinava algumas frases  em português e coisinhas básicas, depois enviei um livro, dicionário, tudo para que o incentivasse a aprender antes de chegar ao Brasil. Inocente, eu! Ele desistiu nas primeiras páginas. 

No início procurei escolas de idiomas mas levei um susto com o valor cobrado, coisa de R$3.000,00 para cima, um absurdo! Depois procurei cursos em faculdades, me lembro que na época encontrei um curso muito bom da FAAP que incluía até passeios pela cidade, mas exigiam o RNE (Registro Nacional de Estrangeiro) e na época o marido só tinha protocolo, nem assim conseguimos matrícula porque eles queriam o RNE, ou seja, as aulas de português são para estrangeiros permanentes no Brasil e o gringo que acaba de chegar e quer estudar não pode. Procurei na USP, Mackenzie, mas muita burocracia e valores altos. Desistimos da faculdade.

Depois eu mesma comecei a lecionar para o marido, pegava livros que tinha em casa, mas ele não tinha tanta paciência e realmente o resultado estava muito lento, além de muitas vezes conversarmos em inglês por ser o idioma mais fácil para nos entendermos. Muita gente brigava comigo e dizia que eu deveria conversar SÓ em português com ele, mas meu Deus...sem comunicação não teríamos sobrevivido. Não dá para um casal viver sem conversar, as pessoas não entendem isso, principalmente quando existem diferenças culturais gritantes e quem tem um relacionamento intercultural sabe que a maior barreira é o idioma. É horrível quando a gente quer se expressar e não consegue encontrar a palavra certa. Eu tenho minha parcela de culpa, enfim..o português do marido começou a ficar compreensível quando ele começou a trabalhar pois teve que aprender na marra. Só assim caiu a ficha  que realmente precisava aprender português e só então começou a demonstrar mais interesse pelo idioma e em poucos meses já conseguíamos conversar.

Um dia uma mulher perguntou a mim se ele já sabia "palavrão". Eu respondi que não, mas ela falou " e se alguém ofender ele, como ele vai se defender? Ele precisa saber". E ela estava certa, um dia eu ensinei a ele tudo quanto é "palavrão" e gestos obscenos, não que a gente use, mas ele precisava saber o que poderia ouvir de alguém. Foi uma situação bem estranha e ao mesmo tempo eu ria muito quando ele repetia as palavras, era muito engraçado mas valeu a pena, porque já aconteceu de uma pessoa querer xingar ele pensando que por ser estrangeiro não entenderia nada e levou um susto quando o marido respondeu à altura.

Voltando ao aprendizado, uma coisa interessante é a excelente dicção dos indianos quando falam português. Não me refiro ao sotaque, mas à dicção, os fonemas. Eles não falam enrolado como americanos e conseguem reproduzir com propriedade o R, T, CH, X, J, Z...isso ajuda.

Outra coisa que ajudou muito foi o uso de mímicas! Me lembro de um dia que eu fui numa livraria e não sei como uma mulher ao ver que meu marido não falava português conversou com ele gesticulando muito, e apesar de ser uma cena estranha ele entendeu tudo o que ela quis dizer. Então ela se virou para mim e disse que era professora de LIBRAS e me sugeriu o uso de mímicas sempre que conversasse com ele em português. Acredite ou não, a forma mais rápida que o marido aprendeu português foi no trabalho, onde as pessoas não sabiam inglês e usavam mímica para falar com ele. Ele disse que cada cena fazia ele lembrar a palavra e vice-versa. A minha preocupação ainda é com a escrita, pois ele conhece o português coloquial mas não pode ficar só nisso.

É assim, o português precisa melhorar, mas não foi impossível aprender sozinho sem curso.
Realmente quem é estrangeiro precisa conhecer o idioma local, isso dá certa independência e mais respeito.


Abraços!

  






3 comentários:

  1. É uma longa jornada para quem não é português nativo,
    Meu noivo está tentando estudar, porém (não sei porque) ele se dá melhor com o espanhol então eu vou tentando ensiná-lo espanhol mesmo rsrsrs
    Mas que é fácil não é não. Quando comecei a incentivá-lo com o português que percebi o quanto nossa língua é complicada, em visto do inglês então ela é terrível... mas o que o amor não faz? rsrs

    Eu também estou batalhando com o hindi >.<

    Beijos e abraços,

    ResponderExcluir
  2. Isso é bem verdade! O Meu noivo tem dificuldade de pronunciar algumas palavras em Português, e prova disso seria, por exemplo, a palavra fofinha. Menina, eu repetia umas 10 vezes e ele só falava "fofina" ou "fofana". Até hoje rio que me acabo, Star. Eu acho, talvez, por conta de ele falar outras línguas como o Inglês, Árabe e Urdu, os mais usados por ele, ele nao consegue pronunciar direito. Mas quem ama de verdade ajude, né? Vou fazer de tudo para ajudá-lo, assim como ele por mim. Abraços, Star!!

    ResponderExcluir
  3. Olá Star!

    Tenho lido muito o seu blog. E esta sendo muito útil. Querida, essa preocupação quanto a lingua tem realmente me tirado o sono. Eu tenho um amigo que dá aula de inglês, particular. Então tenho pensado em contratar ele. Pois eu trabalho o dia todo e fica pouco o tempo para as aulas. Meu noivo é indiano muçulmano.

    Gostaria de te perguntar, como seu marido arranjou emprego sem falar o português? ?? Está é uma grande preocupação que tenho? Afinal o homem não foi feito para ficar parado em casa.... e tenho medo que isso seja uma fonte de stress.
    Pode me falar ou falar de como é isso aqui no Brasil para eles.

    Namaste

    ResponderExcluir