Café com Chai

Observações de uma brasileira sobre a cultura indiana.

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Mulher brasileira é folgada?

 Não sei se é esse calor que faz aqui em SP ou a rotina me consome. Agora  marido leva marmita para o trabalho (pela higiene, comer comida fresquinha e economizar, é claro). Alguns dias ele levava pedaço de pizza (porque ele pedia) ou quando chegávamos tarde em casa ele não queria que eu ficasse cozinhando  então ele comia alguma coisa lá perto do trabalho ou pedia para eu colocar pizza na marmita.

Teve um "causo" de uma mulherzinha do trabalho dele que olhava para a comida dele e dizia bem alto para os outros na mesa "mulher brasileira é folgada". Isso porque naquele dia meu marido pediu para eu colocar na marmita dois pedaços de pizza que ele adora. Não fiz isso porque sou preguiçosa, apenas porque ele pediu.  Ele ficou chateado com o que ela disse, que apesar de não conversar em português com as pessoas entendeu a indireta dela. Nem preciso dizer que fiquei indignada e calei a boca deles no dia seguinte, fiz um super ensopado indiano.

Ainda não aprendi a me organizar, variar o menu da semana, ainda mais quando 2 dias da semana a comida aqui em casa deve ser vegana. Esses dois últimos dias não fiz praticamente nada de diferente e não tenho me empenhado no fogão porque ando sem criatividade, sei lá. Semana passada fiz uma lasanha e confesso que fez sucesso. Mas depois que a lasanha acabou pensei e agora, o que eu faço para o resto da semana?

Mas se estamos sempre com pressa para cozinhar, arrumar a casa, quer dizer que somos ocupadas, certo?
Como uma pessoa vira para a outra e diz que mulher brasileira é folgada? Com certeza essa pessoa não sabe da missa 1/3. Eu não tenho empregada, desde que meu marido começou a trabalhar eu sempre fiz questão de acordar no mesmo horário, às vezes antes, e já deixava tudo pronto como roupas, café, sapatos, marmita e depois que descobri que levando ele de carro era melhor do que ele pegar metrô lotado, então todas as manhãs eu o deixo na porta do trabalho. Depois eu volto, arrumo a casa (lavo roupa, lavo banheiro, passo roupas, pano no chão, tiro o pó, faço a comida, não nessa ordem), saio para resolver as coisas (o português dele não é fluente e o horário de trabalho não permite que saia sempre então eu que tenho que resolver 80% dos assuntos burocráticos), vou trabalhar, estudar e depois volto faço o lanche da tarde, sirvo o chai, e mais tarde o jantar, chai de novo sem falar nos coflitos culturais que ainda nos cercam, eu falo uma coisa ele entende outra, eu faço uma coisa ele quer que faça de outro jeito e assim por diante e ainda tem que dar atenção para a sogra que está sozinha na Índia e fica chorando dizendo que eu abandonei ela quando fico mais de uma semana sem telefonar. Eu imagino como deve ser difícil e deprimente viver sozinha na Índia mas estou sem internet e fica difícil ligar pelo skype ou voip frequentemente.

Eu queria saber desde quando mulher brasileira é folgada. Nós cuidamos da casa, marido, trabalho, estudos e ainda encontramos tempo para cuidar da vaidade.

Infelizmente sempre vai ter Zé povinho para cuidar da nossa vida. Na internet não tenho esse tipo de problema porque nem tenho mais facebook ou essas coisas mas não tem jeito, mas sempre vai ter um Zé povinho ou uma mulher invejosa que pensa que vivemos no mundo de Jade cheia do ouro com uma vida fútil.

Sinta o poder de um pedaço de pizza!

6 comentários:

  1. Olá
    Tenho muita curiosidade em saber como as tatuagens permanentes e os piercing são vistos na Índia, porque até hoje nunca vi um indiano(a) com alguma tatoo que não seja henna e piercing que não seja no nariz.
    Também gostaria de saber como ateus são vistos por lá, já que alguns países árabes é crime ser ateu (eu sei que indiano e árabe não é mesma coisa e também já li seu post com esse tema) mas a religião influência bastante na cultura e muitas vezes para alguns é mais fácil aceitar um religião diferente do que uma pessoa que não tem nenhuma crença.
    Se puder fazer um post com esses assuntos ficarei muito agradecida.

    ResponderExcluir
  2. Engraçado isso. Eu não acho que a mulher seja obrigada a mostrar seu valor cozinhando para o marido. A gente já faz coisas demais todos os dias. Comentários como o da fulana do trabalho do seu marido ajudam a invalidar anos e anos de luta pela igualdade. Eu adoro cozinhar mas não me martirizo se não houver tempo. Viva a pizza. To contigo. :)

    ResponderExcluir
  3. Oi, Star! Concordo em número e grau com o comentário acima. Hoje em dia nós fazemos muito mais talvez do que a geração das nossas mães, avós, etc. Acho louvável o fato de você ainda ir para a cozinha preparar marmita. Aqui em casa, tirando o almoço que é oferecido pela própria empresa onde meu esposo trabalha, na janta, nós temos o famoso tiffin wala para nos abastecer. Comida limpa, saudavel, barata e com opcao diferente todo dia. Por isso, fogão, só mesmo nos fins de semana e olhe lá! No começo me sentia culpada por isso, ainda mais sendo casada com um indiano, mas ele e a família também entendem que nós dois trabalhamos fora e, no meu caso, eu trabalho, geralmente, de 11:30 às 20:30. Então, a coisa fica mais difícil mesmo. Manda essa fulana bisbilhoteira cuidar da vida dela, porque da sua, você mesma cuida!
    Um abraço e tudo de bom!

    ResponderExcluir
  4. Adorei o seu blog, o meu grande sonho é ir á Índia, vou seguir.
    Se quiser visite o meu:
    http://salaameishq7.blogspot.pt/

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  5. adorei o post , e é bem por aí mesmo as pessoas te jugam, falam de vc , se ao menos te conhecer e saber um pouco da sua vida ....
    um abraço Star e viva a pizza rsrs...

    ResponderExcluir
  6. Que comentario machista, nojento. Pelo amor, não dê ouvidos!

    ResponderExcluir