Café com Chai

Observações de uma brasileira sobre a cultura indiana.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

A India Islâmica - Império Mughal


O Império Mughal trouxe para a India:
Moeda durante o Império islâmico

Língua persa misturada com árabe e Hindi para criar o Urdu
Arte e cultura persa
Períodos de grande tolerância religiosa
Estilo de arquitetura (por exemplo, o Taj Mahal)
Consolidação do Islam na Índia
É também um assunto de grande importância para entender o início do sikhismo.

O Império Mughal, foi um império muçulmano que governou a maior parte da Índia e do Paquistão, nos séculos 16 e 17.

Eles eram muçulmanos, que governaram um país de grande maioria hindu. No entanto, para obterem êxito, eles permitiram que os hindus chegassem a altos cargos governamentais ou militares, e trabalharam para aproximar os muçulmanos dos hindus para formar uma Índia unida.



BABUR- Zahiruddin Muhammad Babur 

O fundador do Império Mogol na Índia chamava-se Babur e descendia de Gêngis Khan, que mais de trezentos anos antes havia fundado o poderoso Império Mongol, na Mongólia. Os descendentes se tornaram muçulmanos e assimilaram a cultura do Oriente Médio, mantendo elementos de suas raízes do Extremo Oriente.

Babur se mudou para Kabul- Afeganistão, e, em seguida, mudou-se para a Índia, aparentemente, a convite de algum príncipe indiano. Babur eliminou o governante, e tomou o reinado para si.

Ele capturou o turco Ghur'iat Sultanato de Delhi, em 1526, impondo seu domínio sobre a maioria do norte da Índia.

O império que ele fundou foi uma civilização sofisticada baseada na tolerância religiosa. Era uma mistura de persa, Mongol e cultura indiana.

Babur tolerava o hinduísmo e novos templos hindus foram construídos com a sua permissão.

Incentivou o comércio com o resto do mundo islâmico.

A  escravidão no Império diminuiu e a paz foi feita com os reinos hindus do sul da Índia.

Babur trouxe um Islã tolerante, confiante da Ásia Central. Seu primeiro ato depois ao conquistar Delhi foi a proibição da matança de vacas, porque isso era ofensivo para os hindus.

Babur pode ter sido descendente de conquistadores brutais, mas ele não era um bárbaro. Ao invés disso, ele tinha grandes idéias sobre civilização, arquitetura e administração.

Ele até escreveu uma autobiografia, The Babur - Namah. A autobiografia é sincera, honesta e até mesmo poética.

Babur foi seguido por seu filho Humayun que era um imperador ruim e que rapidamente perdeu o império. Acabou por recuperar o trono, mas morreu logo em seguida, depois de quebrar o pescoço numa queda.
Mausoléu de Humayun 
Enquanto Humayan foi certamente desastroso como um governante, o seu amor pela poesia e cultura fortemente influenciou seu filho Akbar, e contribuiu para tornar o Império Mughal uma potência artística, tanto quanto militar.

ABU AKBAR - Abu’l-Fath Jalal-ud-Din Muhammad Akbar


O terceiro imperador, Abu Akbar, é considerado um dos grandes governantes de todos os tempos.

Akbar sucedeu ao trono aos 13 anos, e começou a recuperar o território perdido que restou do império de Babur. Na época de sua morte em 1605, ele dominou a maior parte do norte, central e oeste da Índia.

Akbar trabalhou duro para conquistar os corações e as mentes dos líderes hindus. Enquanto isto pode muito bem ter sido por razões políticas - ele se casou com uma princesa hindu (dizem ter casado com centenas de mulheres para fins políticos e diplomáticos).

Akbar acreditava que todas as religiões deveriam ser toleradas, e que o dever de um governante era tratar todos de forma igual, independentemente da sua crença.

Durante o governo de Akbar muitos hindus receberam cargos de responsabilidade - governados foram autorizados a tomar um papel importante no governo.

Akbar também extinguiu o imposto (jizya) que havia sido aplicado aos não-muçulmanos. 

Uma inovação foi a quantidade de autonomia que ele permitiu às províncias. Por exemplo, os não-muçulmanos não eram obrigados a obedecer a lei islâmica (como foi o caso em muitos países islâmicos), e os hindus foram autorizados seguir suas próprias regras.

Akbar e Deusismo

Akbar levou a política de tolerância religiosa ainda mais longe, quebrando o Islã convencional.

O Imperador proclamou uma nova religião de "Deus-ismo" (Din-i-Ilahi) - um amontoado de islamismo, hinduísmo, cristianismo e ensinamento budista tendo ele mesmo como divindade. Essa ideia nunca foi além de sua corte e morreu com ele.

Fatehpur Sikri foi a nova capital construída por Akbar, como parte de sua tentativa de absorver outras religiões para o Islã. Fatehpur Sikri é uma síntese de hinduísmo e arquitetura islâmica.

 JAHANDIR & JAHAN- Nur-ud-din Mohammad Salim



O filho de Akbar, o imperador Jahangir, readotou o Islam como religião do Estado e continuou a política de tolerância religiosa. Sua corte incluiu um grande número de indianos hindus, persa e xiita Sufis e membros de seitas islâmicas heterodoxas locais.

Jahangir também começou a construir os magníficos monumentos e jardins, através da qual os Mughals são lembrados até hoje, a importação de centenas de arquitetos persas para construir palácios e criar magníficos jardins.

A abordagem de Jahangir foi tipificada pelo desenvolvimento do Urdu como a língua oficial do Império.

Urdu utiliza uma escrita árabe, vocabulário persa e estrutura gramatical hindi.

As conquistas arquitetônicas tiveram seu pico entre 1592 e 1666, durante o reinado do sucessor de Jahangir Jahan.

Jahan encomendou o Taj Mahal. O Taj Mahal marca o ápice do Império Mughal;  Simboliza a estabilidade, poder e confiança.

O edifício é um mausoléu construído por Jahan para sua esposa Mumtaz e passou a simbolizar o amor entre duas pessoas.

Feito de mármore branco e o conceito geral e design do mausoléu do Jahan dão ao edifício grande poder e majestade.

Jahan reuniu novas idéias na criação do Taj. Muitos dos artesãos foram envolvidos na construção. Muitos também vieram de outras partes do mundo islâmico - calígrafos de Shiraz, fabricantes de Samrkand, e cortadores pedras e jardineiros de Bukhara.

Durante o período de Jahan a capital mudou-se para o Forte Vermelho, em Delhi, colocando o Fort no coração do poder Mughal. Para confirmar, Jahan colocou estas palavras lá: "Se existe um paraíso na Terra, é aqui, é aqui."

Paraíso pode ter sido, mas foi um paraíso caro. O dinheiro gasto edifícios e em vários projetos militares esvaziou sua tesouraria e ele foi forçado a aumentar os impostos, o que agravou a situação das pessoas do império.

AURANGZEB 

Início da intolerância religiosa e aplicação da Sharia

O filho de Jahan Aurangzeb foi o último grande imperador Mughal.

Paredes decoradas intrincadas e torres compõem o túmulo Itimad-ud-Daulah  em Agra e é considerado um marco na arquitetura Mughal.
Itimad-ud-Daulah's
A História sobre Aurangzeb depende muito de quem o escreve; Muçulmano ou Hindu.

Aurangzeb governou por quase 50 anos. Ele subiu ao trono após aprisionar seu pai e ter seu irmão mais velho morto.

Ele era um líder forte, cujas conquistas expandiu o Império Mughal ao máximo.

Aurangzeb era um muçulmano muito observador e religioso que terminou a política de tolerância religiosa seguida por imperadores anteriores.

Ele não permitiu que a comunidade hindu vivesse sob suas próprias leis e costumes e impôs a lei Sharia (lei islâmica) em todo o império.

Milhares de templos hindus e santuários foram derrubados e foi aplicado um imposto punitivo sobre temas hindus.

Nas últimas décadas do século XVII Aurangzeb invadiu os reinos hindus, conquistou territórios e tomou muitos escravos.

Sob Aurangzeb, o império Mughal atingiu o auge de seu poderio militar, mas a regra era instável. Isto foi em parte por causa da hostilidade que a intolerância e a tributação do Aurangazeb sob a população, mas também porque o império tinha simplesmente se tornado muito grande para ser governado com sucesso.

O Governador muçulmano do Hydrabad no sul da Índia se rebelou e estabeleceu um estado xiita em separado; ele também reintroduziu a tolerância religiosa.

Os reinos hindus também lutaram, muitas vezes apoiados pelos franceses e os britânicos, que se aproveitaram da situação para ganhar o controle sobre o sub-continente.

O estabelecimento de um Império Hindu Marathi no sul da Índia tirou o estado Mughal ao sul. Em 1696 e nas décadas que se seguiram, os europeus - apoiados por príncipes hindus conquistaram a maior parte do território Mughal.

Extremismo de Aurangzeb fez com que seu império declinasse. Os imperadores Mughals que seguiram Aurangzeb tornaram-se efetivamente fantoches britânicos ou franceses. O último imperador Mughal foi deposto pelos britânicos em 1858.

É aí que entra o sikhismo e o início da divergência existente até hoje entre os hindus e muçulmanos e alguns sikhs na India: Aqueles que não aceitaram as imposições islâmicas que ocorreram de forma perversa formaram um exército de sikhs chamado Khalsa. Esse exército, na época, atuou em defesa de todos aqueles que não aceitaram mudar sua religião.

Abraços!



Fonte:
http://www.bbc.co.uk/religion/religions/islam/history/mughalempire_1.shtml

2 comentários:

  1. Obrigada pela aula de historia!Realmente a historia e tudo que envolve o period Mughal eh fascinante, ainda mais morando aqui na India e percebendo as marcas profundas que foram deixadas e sao mantidas ate hoje. Parabens pelo post!

    ResponderExcluir
  2. Aurangzeb era Perverso. Quando capturou o rei maratha Sambhaji, em 1689, mandou retalhar seu corpo aos poucos: cortou primeiro a língua, no dia seguinte, mandou arrancar os olhos e depois os membros, um por um.
    Muito bom o post. Parabéns

    ResponderExcluir