Café com Chai

Observações de uma brasileira sobre a cultura indiana.

terça-feira, 28 de julho de 2015

Vamos Falar de "Apropriação Cultural"?

Algumas pessoas chegam até mim e perguntam se podem usar bindi pois elas dizem que já ouviram falar em apropriação cultural. Geralmente são mulheres que tem uma afinidade com a cultura indiana ou bailarinas de dança do ventre. 

 Na verdade, o termo "apropriação cultural" é muito, muito chato, que caiu em modinha e está sempre em forum de discussões que não chegam a lugar algum além de promoverem racismo. Não gosto desse termo, me cansa. Muitos dizem que uma pessoa se apropria quando usa algum símbolo de uma cultura que não é sua. Será mesmo? Eu discordo. O que deve ter prioridade é o bom senso e o respeito.





Leia esse artigo:



Muitas vezes a pessoa não respeita aquilo que é da própria cultura! E aí como fica? Então quer dizer que eu posso mudar o significado de um símbolo que é de minha cultura e não sou condenada por isso? 
O que os terroristas fizeram com o uso do turbante? Muitos desses homens nasceram onde o turbante também faz parte da vestimenta  mas mudaram o significado dele com atitudes condenáveis, ou seja, eles mesmos fizeram isso e  não foi preciso que nenhum brasileiro ou americano banalizasse. Por que ninguém vai lá dizer que os terroristas se apropriaram de um símbolo indiano, árabe etc e mudaram o contexto? A maior dificuldade para um sikh é usar seu turbante fora da Índia e não ser confundido com terrorista. Isso sim precisa acabar. Mas eu só vejo pessoas no Brasil ditando regras, preocupadas em escrever cartilha sobre o que é e o que não é apropriação cultural, atrás do computador batendo de frente com o próprio preconceito. 
Eu faço minha parte, escrevo sobre o sikhismo e  levo pouco da cultura por onde passo, mostro e explico para as pessoas que a cultura indiana e o homem de turbante são do bem. Não fico com aquele clichê..."ele pode, você não". 

Por isso eu substituo "apropriação cultural" por "falta de educação". Simples assim. O uso inadequado dos símbolos de uma cultura independentemente das origens.

No mundo globalizado em que vivemos é irracional esperar que uma cultura não abstraia nada de outra então não dá pra sair julgando a torto e a direito por questão de cor de pele, cor de cabelo etc.

Por exemplo, roupa indiana tem no mundo inteiro e qualquer um pode usar, não ofende ninguém. Mas uma vez eu e meu esposo vimos na praia uma moça estendendo na areia uma canga com a estampa do deus Shiva (deus dos hindus). Ou seja, ela ia se deitar naquela canga com a cara de Shiva!  Eu achei a canga linda mas deus indiano não é personagem de desenho animado, eles são divindades. Sorte dela que fez isso aqui no Brasil, porque se fosse em alguma praia da Índia ela poderia enfrentar sérios problemas. Naquela hora meu marido disse "deixe pra lá, ela não sabe o que está fazendo". Com certeza não sabia.

Agora te faço a pergunta: E se fosse uma indiana? Poderia deitar numa canga com o deus Shiva e não ser taxada? Está explicado porque não gosto desse termo, e não faz sentido essa briga de criança que diz  "isso é meu, aquilo é seu", "eu posso usar, você não". Pra mim só existe uma expressão que é "Falta de Educação" e isso pode surgir de qualquer lado, qualquer cultura, qualquer povo, qualquer cor de pele, cabelo e olhos.

Um exemplo clássico é o da cantora Selena Gomez, que desagradou muitos indianos quando passou a usar bindi, que para eles é um símbolo sagrado. Mas não foi pelo fato dela não ser indiana, o que causou a fúria de alguns indianos, foi o fato dela ter usado o bindi durante os shows com coreografias sensuais. Mas ...as dançarinas de Bollywood também não fazem isso?

Quando alguém me pergunta sobre o uso de bindi, eu digo que não há apropriação de uma coisa que você admira e respeita. Mesmo que você não tenha nascido sob determinada cultura, mas desde que use com respeito. O bindi tem vários significados, então acho importante a pessoa saber porque usa, por exemplo, o bindi clássico que é muito usado por mulheres casadas, e tem o bindi colorido e com brilho que é usado em festas, casamentos ou para acentuar a beleza. As próprias indianas usam o bindi assim, escolhem a cor para combinar com a roupa, com a maquiagem, de acordo com a ocasião.

Veja o que diz a indiana  Anjali Joshi a respeito nesse excelente texto:


Muitas mulheres muçulmanas de outros países também usam bindi ou tilak (enfeite na testa) não é somente a mulher hindu e isso também não é apropriação cultural.

Um provérbio indiano diz  "a beleza da mulher é multiplicada mil vezes quando ela usa bindi". Não há que se falar em apropriação cultural se você quer usar um bindi durante a apresentação de belly dance ou você admira a cultura indiana. Você não precisa ter sangue indiano correndo nas suas veias ou se parecer com uma indiana ou árabe para usar bindi, não é a cor da sua pele ou sua ascendência que vai ditar regras, o importante é o respeito que você dá a isso.

Se a pessoa admira e usa com respeito não há problema. Usar um traje de outra cultura nesses termos não é ofensivo. Às vezes a rejeição pode é ofensiva! Imagine você vai para Dubai eles te oferecem um turbante para passear nas dunas. Você vai dizer ao guia "não posso porque não é da minha cultura além de ser apropriação cultural" ou você vai achar o turbante cool para tirar fotos e aproveitar o passeio de um jeito especial??  Acho que a segunda opção, claro! Além de curtir uma nova experiência você vai ser um adorável turista pois negar algo tão importante na cultura árabe e indiana como o turbante, seria uma ofensa. Entendeu onde quero chegar? Ou então você é noiva de um indiano, acha lindo o casamento indiano, o vestido vermelho bordado, a comida exótica, jóias e todas aquelas cores, então você não pode se casar assim porque não é sua cultura?? O que você vai fazer? Vai dizer "meu bem, não vou casar na Índia porque sou descendente de europeus e isso seria apropriação cultural, tudo culpa dos meus antepassados agora não posso aceitar e seguir sua cultura". Pelo amor de Deus, gente. Não podemos chamar tudo de apropriação cultural.

Não sejamos radicais! Ninguém está proibido de usar uma parte de vestuário de outra cultura.  Eu uso bindi porque me identifico com a cultura indiana e admiro. Isso faz parte de mim da mesma forma que a roupa indiana faz parte do meu guarda-roupas e de muita gente que também não nasceu na Índia. Eu não me aproprio culturalmente porque gosto de comida indiana, ouço músicas indianas, visto roupas indianas...vixe, até o marido é indiano! (Complicado ..será que ele está se apropriando de algo brasileiro também? melhor eu consultar as cartilhas da internet sobre isso )

  Vejo muita gente radical por aí mas não se trata de apropriação cultural quando uma pessoa admira e usa com respeito.

Quando somos radicais, proibimos a aceitação de tal cultura numa sociedade, esta acaba se dividindo em grupos e toda divisão em grupos gera rivalidade.

Veja  dois casos abaixo que não se trata de apropriação cultural. O que aconteceu aqui foi desrespeito porque cobrir o corpo é obrigatório por em Dubai, então nesse caso não se discute o uso das roupas, mas o comportamento inadequado em local sagrado, ou seja, faltou educação:

 Rihanna Sensualizando na mesquita em Abu Dhabi

http://www.thenational.ae/uae/tourism/rihanna-was-asked-to-leave-sheikh-zayed-grand-mosque-after-photoshoot

Selena e amigos se comportando de forma inadequada:

http://exposingsmgpt.tumblr.com/post/106811866530/selena-gomez-e-amigos-ofendem-mu%C3%A7ulmanos-ao

O mundo precisa de mais informação e tolerância. As pessoas se preocupam com a apropriação cultural quando deveriam se preocupar com a educação e o bom senso primeiro.

Abraços!!

terça-feira, 21 de julho de 2015

Dando um tempo

Olá pessoal! Sei que algumas pessoas estranharam o sumiço no blog mas na verdade eu só estava atarefada e ocupada com casa, dia a dia ..eu estava pronta pra voltar a escrever inclusive hoje eu ia aplicar henna pela primeira vez e contar o que achei.. mas estou triste, essa semana começou com problemas.  Estou abrindo meu coração pra vocês. Estou tão triste que não tenho vontade de escrever, minha cabeça ainda não está com os pensamentos em ordem. Tenho muita fé em Deus que tudo vai ficar bem e também tenho o apoio do meu marido aqui mas também sou ser humano e estou desanimada e triste. Estou rezando muito que tudo vai ficar bem.
Quando meu humor melhorar eu volto.

Beijos e fiquem com Deus

domingo, 5 de julho de 2015

Maria Eugênia da MTV com Família Indiana em SP

Muito legal esse episódio de "Adotada"! A Maria Eugênia conhece a rotina de uma família indiana que mora no Brasil.

Abraços!!

sábado, 4 de julho de 2015

Caminho da Índias - verdade x mentira

"Indianos e descendentes apontam falhas em 'Caminho das Índias'."

Foi o que eu li no auge da novela. Isso é coisa de indiano que é moderninho, mas todo mundo sabe que os conflitos representados na novela existem sim. Coloquei a matéria que encontrei e com todo o respeito dei minha opinião abaixo de cada parágrafo.
Eu sempre falo para as pessoas que pensam em se casar com indianos esquecerem a novela. Mas eu falo isso para a pessoa não se iludir com histórias românticas e não fantasiar uma vida de glamour porque só o lado bonito aparece, e sim nós sabemos que tem o lado ruim. Já falei que não há nada de errado na novela afinal se a gente quer ver pobreza é só assistir alguns filmes brasileiros que nem faço questão de mencionar. Eu elogio o trabalho da Glória Perez porque conseguiu mostrar as particularidades de uma cultura tão diferente da nossa de uma forma leve, sutil numa obra de ficção. Na época a novela foi criticada até mesmo por indianos e descendentes dizendo que a Índia não é mais assim e blá blá blá. 

Indianos e descendentes apontam falhas em 'Caminho das Índias'

Marília Montich

Especial para o Diário OnLine
A novela global "Caminho das Índias" tem como pano de fundo a cultura desse país asiático repleto de particularidades, crenças e costumes exóticos aos olhos ocidentais. Porém, indianos e descendentes que vivem no Brasil e que acompanham a trama apontam uma série de erros presentes na obra de Glória Perez.
Filho de indianos, o empresário e músico Sagar Karahe, 26 anos, morador de São Bernardo, participou da abertura da novela e é envolvido com a divulgação de sua cultura ancestral no Brasil. Porém, ele afirma que "Caminho das Índias" tem exagerado em vários pontos. "Quanto às castas, por exemplo, não existe essa coisa de não chegar perto da sombra de um Dalit (intocável), mesmo porque no ônibus fica todo mundo grudado um no outro", afirma.
Café com Chai: sim, para a maioria pode não existir essa coisa de não chegar perto da sombra de um Dalit, mas os indianos de castas sejam elas quais forem ainda evitam tocar nos Dalits. Mas se uma família for da casta mais alta da Índia como os brâmanes, é possível que alguns cheguem a esse extremo porque como é uma casta muito alta eles tem vários rituais e costumes para se manterem purificados.

Segundo ele, o governo da Índia aboliu a discriminação desde a independência, em 1947, e agora quem a comete pode ser punido. "Isso pode até existir ainda, mas nas zonas rurais, não nas grandes cidades como Calcutá e Nova Déli. Muitas castas se misturaram ao longo do tempo, por isso, não existe mais esse preconceito", explica.
Café com Chai:  Não podemos dizer que a Índia é só Calcutá e Nova Delhi. O sistema de castas foi abolido pela constituição mas continua firme e forte na sociedade. Uma prova disso está nos classificados de matrimônio dos jornais (incluindo Calcutá e Nova Delhi) onde existe a classificação "BY CASTE" (por casta).

De acordo com o músico, o que acontece na maioria das vezes no país é que os filhos procuram agradar os pais nas escolhas que fazem em relação ao casamento por uma questão de respeito. "No meu caso, tentei unir o útil ao agradável", conta Kahare, que conheceu a atual esposa por meio da tia, que lhe mostrou uma foto da companheira. Ele se interessou e começou a conversar via Skype.
Cafe com Chai: Esse é o típico casamento arranjado. O casamento arranjado existe sim e como na novela, Raj se casou com Maya contra a vontade para agradar os pais.  Isso é muito diferente do que casar por amor, quando você conhece uma pessoa, namora e decide casar com ela sem a interferência de nenhum parente. Na novela a família de Raj não aprovou Duda, isso ainda existe muito, e chantagem emocional para fazer a vontade dos pais é o que mais tem, o pai que manda embora de casa, a mãe fala que vai se matar ou o nome da família que ficou manchado...que filho não agradaria os pais nessas circunstâncias?

Em fevereiro deste ano, o músico foi à Índia para conhecê-la. "Minha mãe já estava lá e acabou conhecendo minha noiva e gostando dela também. Esse foi um fator que me inclinou na escolha por Gyanshree", conta Kahare, que explica ainda que os indianos preferem casar entre si, e não com os chamados firangues (estrangeiros), a fim de dar continuidade aos costumes e às tradições.
Café com Chai: mais uma prova de que a família que escolhe o noivo ou a noiva. Mais uma prova de que os pais indianos ainda preferem uma noiva indiana para seus filhos. Se a moça fosse estrangeira será que teria sido aprovada pela mãe do noivo? 

Sexo - A relação sexual entre Maya e Bahuan também é um ponto que gera controvérsias. Segundo Kahare, ser virgem até o casamento acaba sendo uma opção da maioria das pessoas na Índia. "O que acontece é que as próprias indianas se preservam. Os namoros na Índia são raros, tudo é feito depois do casamento. Assim como as mulheres, os noivos também escolhem se entregar depois da união", explica.
Café com Chai: Ser virgem até o casamento é NECESSÁRIO e não é uma opção da maioria das indianas. Isso é CONDIÇÃO para arrumar um bom marido e ser respeitada por ele. Sexo é tabu na Índia, como as mulheres tem essa opção se nem sabem o básico? Elas se preservam porque são ensinadas a isso, porque a sociedade impõe regras para a mulher, porque uma mulher que não é virgem é uma vergonha para a família. Os namoros na Índia são raros simplesmente porque não pode namorar. Não pode beijar em público, a polícia não deixa um casal de namorados sozinhos num quarto de hotel Os rapazes se entregam depois da união porque se ele desonrar uma moça também paga um preço alto pela família dela. Então isso não é opção, isso é uma imposição da sociedade e a mulher é a mais cobrada na história toda, a responsabilidade sempre cai sobre ela.

Além das falhas culturais, "Caminho das Índias" comete também erros de vocabulário, segundo o músico. "Eles repetem muitas vezes os mesmos termos, como 'Are Baba' e 'Are Are Are', muitas vezes sem sentido no momento em que são ditos", diz.
Café com Chai: concordo, essas expressões não são muito usadas. Mas um jargão é necessário em toda novela. "Are Baba" e "Atcha" é até bonitinho. 

Já a analista de marketing Meha Dixite, 25, também filha de indianos, afirma que há muitos elementos da novela que a família desconhece. "Mesmo minha mãe, que saiu da Índia aos 20 e poucos anos, nunca ouviu algumas coisas que estão sendo faladas na novela, como a história de que dá azar ver uma viúva ou que não é bom olhar para uma grávida", conta.
Café com Chai: indiano é muito supersticioso. Muito muito mesmo!!!! Indiano acredita que ver um gato preto dá azar,  uivado de cachorro é mau presságio etc. Até mesmo os brasileiros são supersticiosos! Quem não é? Sobre esses dois exemplos da novela desconheço, mas são tantas superstições que não dá pra contar, e essa foi só uma forma bem humorada de demonstrar como isso é importante nas famílias indianas.

Mesmo morando no Brasil, Meha segue a religião da terra natal de seus pais, porém, isso não a impediu de manter um namoro com um brasileiro, com quem diz ter um relacionamento normal aos moldes ocidentais. "Meus pais prefeririam que eu casasse com um indiano, mas eles acabam entendendo que isso é difícil", diz.
Café com Chai: mais uma exceção. Essa exceção é o mesmo que 1 em 1 Bilhão de indianos.    É só ver os indianos que estão estabilizados financeiramente (vulgo RICO ou MILIONÁRIO) fora da Índia como Canadá, EUA, Europa... a família escolhe uma noiva indiana da mesma classe social.

Para a analista, a novela peca na forma como alguns costumes estão sendo retratados. "O dote, por exemplo, está sendo mostrado como algo mercenário, como se o pai estivesse vendendo a filha, e isso não é verdade. O que acontece é que os pais dão uma ajuda de custo ao casal para que eles comecem a vida. O jeito que está aparecendo na novela chega a ser ofensivo, viramos até motivo de chacota", desabafa.
Café com Chai: se o dote não fosse mercenário, não teria sido proibido pela Constituição da Índia. 
Os indianos insistem em dizer que o dote é "uma ajuda". Deveria ser, mas não é. Quantas indianas morrem por dia em consequência do dote? Quantas famílias passam a vida toda juntando o dinheiro que vai dar no dote da filha? Quantas famílias pedem como dote OURO, CARRO, JOIAS, ROUPAS?? Quantos fetos de meninas foram mortos porque os pais não poderiam arcar com esses custos futuros? Por que o dote vem com uma lista de exigências e outra de presentes, com coisas que nem se ela ficar 100 anos casada não vai dar conta de usar tudo?? Hoje em dia algumas famílias abrem mão do dote mas o número ainda é muito pequeno e infelizmente o dote ainda existe nessas condições.







A mãe de Meha, Shobha Dixit, 53, também considera que a autora da trama global erra ao tentar mostrar muitos elementos do país de uma vez só. "Certas vezes eu penso que Glória Perez quer mostrar tudo da Índia, o passado e o presente, o que acontece no interior e nas grandes cidades, tudo de uma vez só. Para os brasileiros, fica uma imagem confusa do que o país realmente é", afirma a professora de inglês nascida na Índia.
Cafe com Chai: Nem os indianos entendem o que é a Índia. A Índia é diversificada, tem diferentes religiões, os costumes são diferentes entre um Estado e outro, assim como a comida, roupas e idioma. Alguns indianos são conservadores e outros são muito modernos. Uns amam a Índia e outros não vêem a hora de sair dela. Talentosamente a autora da novela conseguiu unir o passado, costumes e tradições com o presente e futuro com muita beleza e respeito. E não disse nenhuma mentira nem foi sensacionalista, afinal, a única distração que a maior parte do povo brasileiro tem depois de um dia inteiro de trabalho é a novela, razão pela qual não vejo motivos para retratar cenas de violência e pobreza. A novela é só uma obra de ficção, não muito diferente dos filmes de Bollywood! 
 .


sexta-feira, 3 de julho de 2015

Como Amarrar um Turbante Indiano

Muitas pessoas me pedem um turbante indiano para seus entes queridos ou homens que pretendem usar no dia do casamento. Um engano muito comum (assim como eu também pensava) é que o turbante já vem pronto e é só vestir, mas um turbante, principalmente o sikh exige certa prática e uma dose de paciência os iniciantes porque o homem sikh gosta de um turbante perfeito, alinhado. Coloquei alguns vídeos que ensinam muito bem. Espero que gostem!





Abraços!

Diferença entre Asilo e Refúgio

Muitas vezes ouvimos dizer "fulano pediu asilo político" ou "fulano é refugiado", mas o que significam essas expressões? Equivocadamente alguns meios de comunicação confundem as informações, mas hoje vamos conhecer as diferenças das formas de proteção ao estrangeiro:

ASILO
Tem caráter político;
Tem abrangência regional;
O estrangeiro se encontra em perseguição atual e efetiva;
Motivo: Crime político;
É uma medida individualizada, ou seja, a  pessoa interessada entra com pedido de asilo;
O requerimento pode ser feito mesmo se o estrangeiro estiver dentro de seu país, ele não precisa estar no Brasil;
O Asilo por Estado Estrangeiro é o Asilo Territorial  e asilo em embaixadas é o Asilo Diplomático;
O requerimento é feito na Polícia Federal e submetido ao Ministério das Relações Exteriores;
A decisão é do Ministério da Justiça.

REFÚGIO
O refúgio tem caráter humanitário;
Motivo: temor de perseguição religiosa, raça, nacionalidade, opinião política ou grave violação dos direitos humanos em seu país.
No refúgio um grande número de pessoas são perseguidas.
O estrangeiro encontra-se fora de seu país;
O requerimento é feito na Polícia Federal de competência do Comitê Nacional para Refugiados (Conare).

Abraços

India proíbe cosméticos testados em animais

De acordo com o site The Hindu a Índia é o primeiro país do sul da Ásia a proibir testes de cosméticos e seus ingredientes em animais e importação dos cosméticos testados em animais.

Alokparna Sengupta, Humane Society International (HSI) /  Gerente de campanha Cruelty-Free da Índia, disse: "Esta é uma grande vitória para inúmeros animais que deixarão de ser criados para sofrer, e é um momento de orgulho para a Índia como ela se torna a primeiro país da Ásia do Sul a acabar com a crueldade dos cosméticos ".

A decisão foi tomada em uma reunião no Bureau of Indian Standards (BIS) presidido pelo Drugs Controller General of Índia e está em consonância com a posição da União Europeia.

A decisão segue apelos de vários quadrantes, incluindo o do Conselho Nacional Consultivo da presidente Sonia Gandhi e ativista pelos direitos dos animais Maneka Gandhi, para evitar a crueldade com os animais.

People for the Ethical Treatment of Animals (PETA),  também tem feito campanha para terminar o teste de produtos de uso doméstico e seus ingredientes em animais.


Qualquer produto cosmético que realiza testes em animais irá enfrentar uma ação conforme disposto na Lei de Fármacos e Cosméticos e da Lei de Crueldade Animal. Violação da Lei de Fármacos e Cosméticos por qualquer pessoa ou gerente corporativo ou proprietário será punida por um período que pode ir de 3-10 anos e também incidirá o pagamento de uma multa que poderia ser de Rs.500 a Rs.10,000, ou com ambos.

O uso de testes modernos alternativos à experimentação animal também se torna obrigatório, substituindo testes invasivos em animais. Isto significa que qualquer fabricante interessado em testar novos ingredientes cosméticos ou produtos acabados deve primeiro obter a aprovação do órgão regulador da Índia (India’s regulator Central Drug Standards Control Organisation). Ao fabricante será dado a aprovação para testar apenas após o cumprimento das normas do BIS.

Mais de 1.200 empresas em todo o mundo proibiram todos os testes em animais, em favor de testes  eficazes modernos, mas muitos ainda optam por submeter animais a testes dolorosos.

Membro do Parlamento Baijayant 'Jay' Panda disse: "Este é um grande dia para a Índia e para os milhares de animais que não sofrerão mais, mas muito trabalho precisa ser feito ainda. Nosso governo deve tomar um passo adiante, a proibição dos produtos cosméticos que são testados em animais no exterior e, em seguida, importados e vendidos aqui na Índia. Só então a Índia demonstrar seu compromisso, compaixão, métodos de investigação modernas e ser verdadeiramente livres de crueldade. "

Israel e os 27 países que compõem a União Europeia têm implementado tanto testes e proibições de vendas para trazer um fim ao sofrimento dos animais de cosméticos em suas respectivas jurisdições, e HSI está liderando a campanha para persuadir a Índia para se tornar a próxima zona de cosméticos totalmente livre de crueldade . A proibição de vendas vai impedir as empresas de terceirização de teste e importação de produtos de beleza testados em animais retornem para a Índia para venda.
(O indiano Kunal Nayyar do seriado "Big Bang Theory"  faz campanha nos EUA)  
A proibição vem na forma do artigo 135-B, que afirma: "A proibição de importação de produtos cosméticos testados em animais. -  cosmético que foi testado em animais a partir da vigência de Medicamentos e Cosméticos (Quinta Emenda) Regras de 2014 ou importadas para o país "A notificação entrará em vigor em 13 de novembro de 2014 (30 dias a partir da data de notificação ).





http://www.thehindu.com/news/national/india-bans-testing-of-cosmetics-on-animals/article4860969.ece

http://www.hsi.org/news/press_releases/2014/10/animal-tested-cosmetics-import-ban-india-101414.html?referrer=https://www.google.com.br/

quinta-feira, 2 de julho de 2015

10 Casamentos mais Caros do Mundo!

Chocada: Dos 10 casamentos mais caros do mundo, 3 deles são indianos que ficaram em 9º, 4º e 2º lugar. O primeiro lugar da lista não poderia ser mais óbvio!

1º Lugar
Sheikh Mohammed bin Rashid Al Maktoum e Sheikha Hind Bint Maktoum
Não encontrei foto da primeira esposa
Sheikh Mohammed é o primeiro-ministro e vice-presidente dos Emirados Árabes Unidos. Em seu primeiro casamento, Sheikh Mohammed gastou mais de U$ 100 milhões em 1979. A cerimonia particular, era comparado a uma festa de feriado popular nacional. Como não havia lugar para caber 20 mil convidados, ele construiu um estádio para o evento que durou 7 dias.
Atualmente, Sheikha Hind Bint possui 12 filhos com ele.


2º Lugar
Seemanto Roy & Chandni Toor + Sushanto Roy & Richa Ahuja
Esse foi um casamento duplo realizado em 2004, no Saara, em Lucknow. Os dois noivos são filhos únicos do mega empresário indiano Subrata Roy Sahara. O casamento teve 100 pratos diferentes oferecidos por hotel 5 estrelas para mais de 11 mil convidados. O Custo total esta entre U$ 123 a 128 milhões.

3ºLugar
Príncipe Charles e Lady Diana
O grandioso casamento ocorreu em julho de 1981 em Londres. Teve um custo aproximado de U$ 48 milhões. Somente os 27 bolos encomendados, custaram U$ 2 milhões. A cerimonia foi acompanhada por 2 milhões de pessoas pelas ruas e mais de 750 milhões pelas transmissões na TV.

4º Lugar
Vanisha Mittal e Amit Bhatia
Vanisha Mittal é filha unica e herdeira do bilionário indiano Lakshmi Mittal (6° homem mais rico mundo em 2012), proprietário da Arcelor Mittal. Ela se casou em 2004 com o empresário Amit Bhatia, num dos mais belos lugares do mundo – Paris. Foram fretados jatos particulares para trazerem os mais de mil convidados, que ficaram em hotéis 5 estrelas para os 6 dias de festa em Paris. O casamento encerrou com fogos regado a champanhe na torre Eiffel.

5º Lugar
Sheikh Mohammed bin Rashid al Maktoum e Sua Alteza Real a Princesa Haya da Jordânia
Sheikh Mohammed é o primeiro-ministro e vice-presidente dos Emirados Árabes Unidos. Ele se casou com a filha do rei Hussein da Jordânia, princesa Haya em 2004. O custo total foi de 44 milhões de dólares. Atualmente, ela tem dois filhos, 10 a menos que a primeira esposa do Sheikh.

6º Lugar
Príncipe William e Kate Middleton
Mais recente, em 2011, um casamento da côrte real britânica. O príncipe Willian, duque de Cambridge, se casa com Kate Middleton numa de cerimonia de U$ 33-34 milhões. Foram 1.600 convidados para a cerimonia e banquete. Porém, foram realizadas mais de 5 mil festas nas ruas de todo o Reino Unido. Sem citar as transmissões ao vivo do mundo todo.

7º Lugar
Aleksandra Nikolic Melnichenko & Andrey Melnichenko
Andrey Melnichenko é um empresário russo, classificado como o 56° homem mais rico do mundo pela Forbes em 2013. Ele se casou em setembro de 2005 com a cantora pop e modelo, Aleksandra Nikolic. Estima-se que foram gastos mais de U$30 milhões com o casamento.

8º Lugar
 Felipe de Bourbon, Príncipe das Astúrias e Letizia Ortiz
Casamento realizado em 22 de maio de 2004. O evento custou em torno de U$29 milhões com uma mega estrutura de exibição ao vivo nas TV’s de Espanha e Portugal. Estima-se que 25 milhões de pessoas tenham testemunhado a cerimonia de matrimonio.

9º Lugar
Vikram Chatwal e Priya Sachdev
Vikram Chatwal é um empresário indiano, proprietário de uma rede hotéis. Seu luxuoso casamento de U$20 milhões, ocorreu em fevereiro de 2006, e durou 10 dias, em 3 cidades da Índia. Teve 600 convidados de 26 países diferentes. Ele mesmo fretou os aviões para buscar e levar os convidados.
O amigo íntimo da atriz Lindsay Lohan, infelizmente, se envolveu com drogas em 2009 e seu casamento terminou em divorcio em 2011.

10º Posição
Wayne Rooney 

É um dos maiores jogadores que Inglaterra pôde desfrutar em sua seleção principal de futebol. Seu casamento, em 12 de junho de 2008, durou 24 hrs e custou mais de 15 milhões de dólares. Ele deu uma aliança de brilhantes no valor de 250 mil libras.

Abraços!!!

Deportação, expulsão e extradição

Esse assunto pode interessar quem se relaciona com algum estrangeiro e tem planos de viver no Brasil. 


DEPORTAÇÃO 

Alcança apenas o estrangeiro. Não é uma punição, a deportação é uma medida administrativa.
Ocorre quando o estrangeiro não tem documentos para ficar no Brasil. 
É um ato discricionário da Polícia Federal quando o estrangeiro: 

A) Ingressa irregularmente no Brasil. Alguns exemplos de estrangeiro que chega através de embarcação  clandestina, atravessa fronteira etc. São casos clássicos de estrangeiro que entra sem visto;

ou 

B) Permanece no Brasil de forma irregular, como o estrangeiro que tem o visto vencido ou inadequado, por exemplo, aquele que entra com visto de estudante para exercer atividade diferente. 

O deportado poderá entrar no Brasil novamente? Depois de quanto tempo? 
Sim, não há nenhum problema  para o estrangeiro deportado reingressar. É só pagar multa e ressarcir eventuais despesas ao Tesouro Nacional como passagem aérea ou gastos com com a estadia do deportado ( no caso das pessoas que não podem arcar com as despesas da deportação). 

EXPULSÃO 

De acordo com o artigo 5, inciso XLVII da Constituição Federal, a expulsão alcança somente o estrangeiro porque a CF proíbe a pena de banimento de brasileiro nato e naturalizado. 

A expulsão tem caráter punitivo e aplica-se ao estrangeiro que: 

A) Ferir o interesse nacional, ou seja, cometer crimes no Brasil. 
O Brasil decide se é caso de prisão ou expulsão do estrangeiro. 

B) Praticar fraudes para ingressar ou permanecer no Brasil. 
É caso de estrangeiro que entra com documento falso, passaporte falso, visto falso etc

A expulsão é ato discricionário do Presidente da República e exige decreto presidencial. 

Quando o estrangeiro expulso poderá retornar ao Brasil?
Só poderá entrar novamente no Brasil quando o decreto expulsório for revogado por decisão do Presidente da República ( geralmente delegado ao Ministro da Justiça ). Enquanto não houver a revogação, o estrangeiro não poderá entrar novamente  por se tratar de crime previsto no artigo 338 do Código Penal Brasileiro. 

Existem, porém, duas causas que impedem a expulsão do estrangeiro: artigo 75 da Lei 6.815/80 (Estatuto do Estrangeiro) :

A) Se tiver filho brasileiro dependente;

B) Cônjuge brasileiro com família constituída há mais de 5anos. 


Observação: filho brasileiro não impede deportação nem extradição. O filho brasileiro só impede a expulsão. 

EXTRADIÇÃO

Ato de cooperação penal entre os Estados soberanos. O Brasil entrega para outro país o indivíduo (estrangeiro ou brasileiro naturalizado)para que possa ser julgado ou para cumprir pena regularmente imposta. Por exemplo, estrangeiro ou brasileiro naturalizado que cometeu crime no exterior e tenta se esconder no Brasil.
O artigo 5, inciso LI da CF/88 proíbe a extradição do brasileiro nato, todavia, admite a extradição do brasileiro naturalizado em 2 casos:

A) Crimes comuns praticados antes da naturalização;

B) Tráfico de Drogas praticado a qualquer tempo, ou seja, antes ou depois da naturalização. O artigo 5º, inciso LVII da Constituição Federal proíbe a extradição pela prática de 2 crimes: crime político e crime de opinião.

Por hoje é isso.

Abraços!!