Café com Chai

Observações de uma brasileira sobre a cultura indiana.

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

O homem que te ama não muda sua religião

Olá pessoal!

Devido os últimos acontecimentos de mulheres que estão deixando o Brasil para viver um "romance" vim deixar um alerta a vocês mulheres que namoram rapazes pela internet (dessa vez não estou falando dos indianos  hindus e sikhs porque eles não compartilham do princípio de converter a religião de uma pessoa).

A maioria das brasileiras (portuguesas acompanham o blog, então o recado serve para vocês também) se relacionam com rapazes de outra cultura, totalmente diferente da brasileira com promessas de casamento. E na maioria das vezes essa promessa de casamento vem acompanhada de uma condição: que a moça mude sua religião porque a família dele pediu ou porque "ele seria o homem mais feliz do mundo". 

 Já ouvi muitas mulheres dizerem "ah mas nunca fui uma pessoa muito religiosa, para mim não teria problema". Amiga, esse pensamento é seu maior erro e vou explicar porquê:

 Durante o relacionamento a pessoa se empolga, fica obcecada por tudo o que é referente àquele novo país, nova cultura, etc. Acredite, eu já vivi essa fase.
Tudo é interessante, os problemas culturais parecem leves. Você ignora tudo e até a religião dele se torna interessante e de fácil compreensão.

Mas não se esqueça de que nos países de cultura oriental a religião muitas vezes tem os costumes acoplados, ou seja, acham que religião é costume e costume é religião. Por isso aquilo que você aprende no Brasil e na internet não é o suficiente para te fazer enfrentar o dia a dia com uma comunidade de outra cultura.

Vou te dar um exemplo: cristão brasileiro é diferente de um cristão mexicano, que é diferente de um árabe cristão etc. 

Mudar de religião no Brasil é fácil, mas fora dele não é fácil assim.  Imagine que você mude sua religião,  suas roupas e depois aparece em redes sociais com bebida alcoólica nas mãos (sim existem vários perfis assim nas redes sociais e não entendo o que se passa na cabeça dessas mulheres). No Brasil é fácil agir assim, mas e se você decide fazer isso em outro país? Você acha que é possível? Em alguns casos, voltar atrás na decisão é considerado traição com severa punição.

Alguns homens estão recebendo dinheiro para convencer você a mudar de religião enquanto você acha que isso é amor.

Uma mulher não precisa mudar de religião para casar ou para provar seu amor a alguém. Vejo mulheres que mudam de religião para "conseguirem mais direitos" ou para terem mais valor. Que bela desculpa! Direitos mesmo você terá aqui no Brasil, porque em outros países a brasileira será sempre estrangeira para assuntos legais, porque é a parte mais frágil sem conhecimento das leis, costumes e trâmites burocráticos.  Então não se iluda.


Outro assunto que quero falar é sobre dote. Algumas brasileiras se iludem com algumas culturas onde os homens dão dote. Aí o homem dá uma pulseirinha de ouro (isso não é dote) e a mulher acha que está no lucro. Aí você não trabalha no país dele e se alguma coisa acontecer com esse homem o que você vai fazer com uma pulseirinha de ouro? Outras romantizam tanto que aceitam que o homem ensine a religião dele como dote, mais uma vez te pergunto, se algo vier a acontecer com esse homem ou ele te deixar, o que você vai fazer?


Em algumas culturas o dote fica com a sogra e a esposa só terá acesso em caso de divórcio por iniciativa do marido. Ou seja, se ela quer se divorciar perde o dote. As cortes desses países estão cheias de processos de esposas que querem reaver o dote porque a família do marido não devolveu quando houve o divórcio (só procurar no Google e Youtube).

Existe também o fato de que alguns países só permitem que a mulher pegue um avião se tiver autorização expressa do marido. É aquilo que chamo de "Gaiola de Ouro". De quê adianta tanta coisa se no final de tudo você não pode mostrar seus brincos, colares e pulseiras  além de ter que pedir autorização do marido para sair do país. É loucura ou não é?

Mudar de religião no Brasil é fácil. Em outros países exige conhecimento da cultura, que muda de um país para outro.

As decisões que você tomar devem ser sem influências do namorado virtual, noivo ou família dele.

O homem que te ama de verdade não pede nem força a você mudar de religião, não faz chantagem emocional nem coloca condições. Não caia nessa ladainha em nome de casamento. Seja inteligente. 

Abraços


2 comentários:

  1. Esta e a primeira coisa que pesa qdo nos apaixonamos por uma pessoa que vem de um país onde a religiao é muoto mais que religiao,e sim uma forma de vida.
    Quem ama nao muda a sua religiao,sim,mas na pratica isso se torna uma dor de cabeca constante.
    Seus posts sao sempre otimos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Mel!!! Muito bem lembrado, mesmo que não ocorra a insistência durante o relacionamento virtual, na prática se torna uma dor de cabeça constante. Há muitos casos em que a pressão é fortíssima após o casamento.
      Muito obrigada!!
      Beijos!!

      Excluir