Café com Chai

Observações de uma brasileira sobre a cultura indiana.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Conselho proíbe casamento por amor em aldeia indiana

Uma aldeia do norte do país em Asara proibiu os casamentos por amor e proibiu as mulheres de usarem o celular em público. Também não podem sair na rua com a cabeça descoberta e estão proibidas de ir ao mercado sozinhas aos domingos se tiverem menos de 40 anos de idade.

Assista um vídeo da matéria aqui (O Globo)

A polícia está investigando a decisão da vila de Asara, no Estado de Uttar Pradesh, que proibiu "casamentos por amor", e se mostrou a favor dos casamentos arranjados pelos pais. Mulheres com menos de 40 não podem mais sair de casa desacompanhadas.

Em uma série de medidas draconianas, o conselho da aldeia ou "panchayat" também proibiu as mulheres de usarem celular e insistiu que elas devem cobrir a cabeça em público, o que tem sido descrito na imprensa local como a "talibanização" da Índia rural.

Panchayats é um grupo formado por anciãos, que são vistos como os árbitros sociais e morais da vida da aldeia. Eles que julgam qualquer um que cometer um crime ou contravenção como se estivessem em um tribunal.


Um membro do conselho, Sattar Ahmed, disse que "casamentos por amor" são prejudiciais e são uma "vergonha para a sociedade".
As ordens causaram indignação em um país que está se esforçando para se modernizar, mas está preso por tradições sociais conservadoras em muitas áreas onde os direitos das mulheres são inexistentes.
O ministro do Interior, P. Chidambaram, condenou os pedidos, dizendo que "não havia lugar" em uma sociedade democrática.


"A polícia deve agir contra qualquer emissão de tais ditames. Se alguém toma medidas contra qualquer jovem ou uma mulher com base em tribunais de aldeia ilegais, então eles devem ser presos ", Chidambaram disse em uma conferência de imprensa. Líderes do panchayat justificaram as novas regras, afirmando que eles tinham a intenção de proteger as mulheres de "maus elementos" na sociedade.

"É muito doloroso para os pais, especialmente da família da menina, porque tais casamentos perderam o respeito", disse Ahmed Sattar.
As medidas foram rapidamente condenadas por grupos de direitos das mulheres. Sudha Sundar Raman,  secretária-geral da Associação  India Democrática para as Mulheres, disse: "Essa idéia de que as mulheres de até 40 anos de idade precisem de proteção e necessidade de serem controladas é extremamente machista e prejudica todas as normas básicas".

A chefe da Comissão Nacional para as Mulheres, Mamta Sharma, disse que as decisões do conselho são "ridículas" e inexeqüíveis.

"Panchayats não gozam de poderes constitucionais. E se não há poder, não há necessidade de seguir as ordens ", disse ela.

Apesar de as suas decisões não terem peso legal, eles podem ser altamente influentes e foram acusados ​​de inúmeros abusos, como a sanção dos "crimes de honra" de mulheres, quando suas ações são consideradas uma vergonha para sua família.

Nas últimas semanas, a polícia da cidade invadiu uma série de bares e clubes, interditando-os e multando-os por estarem superlotados. Dezenas de mulheres foram presas nos ataques, acusadas de serem prostitutas, levando a protestar com  marchas em toda a cidade.




Conselho





A Índia no mês passado ficou no topo da pesquisa Thomas Reuters Foundation, como o pior lugar para uma mulher viver, (ficando fora do top das 19 economias do mundo). 
As decisões da aldeia vêm em um momento em que a polícia de Mumbai teria lançado uma ofensiva contra a moral da cidade.





Fonte: The Telegraph;
O Globo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário